27/12/2011

Europa no inverno - Parte I

Sempre que me perguntam, costumo dizer que a melhor época do ano para viajar para a Europa é setembro, quando o calor do verão ainda não passou, mas as multidões já diminuíram um bocado. Entre a primavera e o outono, também costumo indicar o outono, por ser menos chuvoso, na maioria das vezes. No auge do verão, em julho, só fui uma vez, e apesar de ter sido uma experiência muito bacana, sofri um tanto com a falta de ar condicionado nos albergues e com enxurradas de turistas descendo de navios de cruzeiro gigantescos, tornando quase inviável qualquer passeio por pontos turísticos mais conhecidos entre as 10h e as 16h, com temperaturas tranquilamente passando dos 35°C.

Mas e o inverno?

Essa é sem dúvida a estação menos procurada pelos brasileiros que vão para lá, especialmente pelo fato de a maioria dos nossos compatriotas não estarem acostumados com o frio. Porém, volta e meia surgem discussões sobre se vale ou não vale a pena viajar nesse período. No último mês, aqui no blog mesmo, pelo menos dois mochileiros de primeira viagem me consultaram sobre o que eu achava de viagens programadas por eles para os meses de janeiro e fevereiro.

Já fui algumas vezes à Europa, mas em apenas uma delas estive naquele continente num período de inverno. Na verdade, embora tenha viajado “de mochila”, não fui para lá fazer “mochilão” daquela vez. 

Era janeiro de 2010 e uma prima minha que mora no centro-norte da Itália tinha tido uma filha. Decidi então levar minha mãe, sua madrinha, para visitá-la e conhecer a criança. Antes e depois da visita propriamente dita, aproveitaria para levá-la a alguns lugares que a interessassem, como Roma, Veneza e Amsterdam, esta última porque seria a nossa conexão de e para o Brasil. 

Reservei hotéis de redes internacionais conhecidas para as 9 noites que passamos lá, inclusive na cidade da minha prima, Imola, para não atrapalhar o casal com o filho recém-nascido. Consegui tarifas bem razoáveis em hotéis muito bons, nas redes Best Western e Mercure, por 45 euros em Imola, 85 euros em Roma, 80 euros em Amsterdam e 75 euros em Firenze – tudo para duas pessoas, em quartos com duas camas de solteiro, mas com café da manhã incluído em apenas 2 deles.


Apesar de ser uma viagem mais ao estilo “família”, acabei fazendo bastante passeios ao redor da região de Bologna e umas boas pernadas com a minha mãe em Roma e em Amsterdam.
É com base nessa experiência, portanto, que pretendo fazer uma análise de prós e contras de viajar para a Europa no inverno.

Um comentário:

Maisa Nascimento disse...

Eu viajei para Europa de 08 de Dezembro de 2010 a 25 de Jnaeiro de 2012, foi uma experiência maravilhosa, saí do calor do nordeste do Brasil, para o frio do inverno europeu. Fui para istambul, Plovdiv, Atenas e berlim, e afirmo que o frio não limita tanto para passear, basta se agasalhar muito bem, e ter boa vontade. Pretendo repetir essa experiência no próximo inverno :)