29/12/2011

Europa no inverno - Parte III


Escolhido o roteiro (e eliminadas as grandes furadas, como falamos no post anterior), é hora de analisar alguns pontos positivos e negativos de uma viagem à Europa no inverno e chegar a uma conclusão:

PORQUE PODE SER UMA BOA OPÇÃO:

- o inverno na Europa coincide com o período em que as pessoas têm férias maiores aqui no Brasil (férias da faculdade ou da escola, férias para quem é professor, recessos de final de ano de empresas ou órgãos públicos que podem ser emendados com férias voluntárias, etc.) e isso permite viagens mais longas – como no Brasil poucos podem ser dar ao luxo de um gap year (ou ano sabático), esse fator costuma pesar muito para mochileiros de primeira viagem.

- preços de hospedagem mais em conta, sem necessidade de tanta antecipação nas reservas – as passagens aéreas não são tão baratas, porque esse período também é considerado de alta temporada, mas a hospedagem realmente fica mais em conta e há menos procura por reservas, o que permite maior flexibilidade (exceto nas regiões de esportes de inverno).
 
- oportunidade de ver e viver uma paisagem e um clima diferente – para muitos brasileiros, a neve e o frio em si são atrações que justificam uma viagem à Europa nesse período. As construções clássicas ficam ainda mais bonitas, as pessoas se vestem melhor, etc. Para não ficar frustrado, vale a pena verificar se realmente cai neve no lugar que você pretende visitar, porque senão vai só ver tempo nublado, chuvisco e temperaturas em torno dos 5°C.

- menos multidões – no inverno, é muito raro ver filas nas grandes atrações das cidades europeias, mesmo na Itália, um dos lugares que mais sofre desse mal. Como há muito menos gente, costuma-se entrar nas atrações quase que imediatamente após a chegada (exceto nos dias próximos do Natal e do Ano Novo). Para quem quer conhecer muitos museus e igrejas, é o melhor período.


 Vaticano sem stress


 Coliseu sem filas


 Galeria Ferrari só para você


 Torre de Pisa sem ninguém fazendo a foto típica na qual finge que segura a torre


 Campo do Ghetto Novo em Veneza sem nenhuma viva alma

- a gastronomia se torna mais interessante – com o clima mais frio, qualquer turista ou mochileiro se sente na obrigação de experimentar pratos típicos diferentes nos lugares por onde passa. Com o frio, tudo fica mais apetitoso e a cada hora dá vontade de entrar num café para tomar um chocolate quente com um bolo. No verão, o normal é as pessoas fazerem pequenos lanches durante o dia, para não atrapalhar o passeio, para economizar e porque no calor têm menos fome. 

PORQUE PODE SER UMA FURADA:

- porque ao ar livre é muito frio e chuvoso, e você não suporta o frio e a chuva
- porque há bem menos horas de sol por dia e às 5 da tarde, em muitos lugares, já está tudo escuro, dando menos vontade de aproveitar mais a viagem

- porque as atrações ficam abertas por menos tempo (basta ver nos folhetos e guias como no inverno museus, igrejas e parques ficam bem menos horas abertos)

- porque uns dois dias depois que neva, forma-se uma capa de gelo na calçada que te faz resvalar o tempo todo

 Teste suas habilidades andando de bike na neve

- porque há mais greves, protestos e outros atos que interrompem os serviços públicos no inverno do que no verão (não há nada de científico nisso, apenas minha percepção)

- porque você pode ficar preso num aeroporto, num porto ou numa estação ferroviária esperando um meio de transporte que simplesmente não funciona em condições de clima extremo e isso não é culpa de ninguém, a não ser de São Pedro

MAS, ANTES DE TERMINAR, ALGUNS ESCLARECIMENTOS:

Por mais que os pontos negativos impressionem bastante, é importante que se saiba de algumas coisas:

- a Europa em geral está muito mais bem preparada para as baixas temperaturas do que para as altíssimas temperaturas do verão. Isso significa que, a não ser que você escolha algum muquifo no interior da Transilvânia para parar no inverno, seu albergue contará com calefação e água quente nos chuveiros, criando um ambiente no qual você poderá deixar o casaco guardado assim que entrar lá dentro, em alguns casos ficando até mesmo de mangas curtas. O mesmo vale para museus e (sim!) até igrejas – quase tudo tem calefação e por isso é comum as pessoas deixarem os casacos numa saleta da entrada das atrações, pegando uma ficha para poder pegar o casado de volta na saída. Portanto, frio mesmo, só na rua.

- a chuva que comumente cai na Europa é bem mais fina que a nossa, típica de país tropical, estando mais para uma garoa do que para uma chuva propriamente dita. Na Dinamarca, por exemplo, vimos poucas pessoas usando guarda-chuva, mesmo com a “chuva” caindo, de tão fina. Se nevar, melhor ainda, pois aí mesmo que você não se molha. Basta dar uma batidinha que os flocos caem.

- não adianta esperar por milagres: vá bem preparado para as baixas temperaturas, seguindo a dica de usar sapatos adequados, várias camadas de roupas mais finas e justas e um casaco para cortar o vento por cima de tudo, luvas e alguma coisa para proteger a cabeça se for caminhar por muito tempo.

8 comentários:

- mandy disse...

Olá,

Então, eu me encaixo em um daqueles casos que só consegue viajar quando começa a trabalhar... estou juntando dinheiro da bolsa do meu estágio, e como só tenho as férias da faculdade para viajar, estou planejando ir em janeiro/fevereiro de 2014, mas como não quero ter imprevistos comecei a pesquisar o itinerário desde já;

Eu admito que estava com vontade de ir pra Grécia e passar no sul da Itália, mas nem era para ir na praia em si, mas só pra conhecer alguns lugares, você acha que compensa deixar esse passeio pra uma próxima vez? Quando for primavera ou pelo menos outono? :~

Outra coisa, eu vou com um amigo, e nós estavamos pensando... pegar um quarto de hotel com duas camas de solteiro e dividir entre a gente o valor saí mais em conta do que pegar camas individuais em albergues?

Adorei seu blog, provavelmente ele vai salvar minha vida ;D

André Augusto Cella disse...

A diferenca entre quarto duplo em hotel barato e albergue eh insignificante, cerca de uns 10 euros por pessoa, por noite, a mais no hotel. Se quer banheiro exclusivo, vale...\
Agora, Grecia e sul da Italia, acho melhor deixar p proxima mesmo.

Nanda disse...

Primeiramente dizer que adorei o blog!!!
Muito bom, principalmente pra mim, mochileira de primeira viagem!rs
O fato é que também me enquadro no grupo de ter apenas as férias de Jan/fev para viajar. E, bom, recebemos uma intercambista aqui em casa e vou passar natal e réveillon na casa dela, 15 dias, e a partir do dia 2 de janeiro/2013 vou ficar 28 dias viajando pela Europa, mas o frio foi realmente uma das únicas coisas que me desanimou!
Como não tenho dinheiro para voltar uma outra vez, não vou perder a oportunidade por causa do frio. Meus planos iniciais é ir nas principais capitais, Berlim (os 15 primeiros dias), Paris, Lisboa, Barcelona (onde vou ficar na casa de amigos) e em Roma. Mas queria ir a Veneza, e passear por lugares que sempre quis conhecer principalmente na Itália.
A pergunta é: dá mesmo pra ir de mochila, e ficar em albergues e suportar o frio durante 28 dias e o pior de tudo, sozinha? Ou, na sua opinião, requer uma espera maior até ter outro tempo?
Abraço!

André Augusto Cella disse...

Acho que, como você está concentrando sua viagem em cidades populosas, que têm atrações funcionando o ano inteiro, não terá problema algum. Aliás, terá mais facilidade em visitar atrações desses lugares que são lotadas no verão, como museus, castelos e igrejas. Com relação ao frio, é muito subjetivo, mas como sempre digo, a Europa está muito mais preparada para o inverno do que para o verão, por isso não vai passar frio enquanto estiver dentro dos lugares. Ao que parece, você quer viajar mesmo e só tem essa época, então aproveite!

Janaina disse...

Boa Tarde,

Vou viajar para Europa no dia 27.12.2012 para passar Reveillon com uma tia que mora em Paris. Mas, além desta cidade, quero conhecer Bolonha e Veneza na Itália e Munique na Alemanha. Você acha aconselhável passear nestas cidades? Ou são daquelas que não tem uma alma viva e tudo fecha durante o inverno!? Por favor, responda!

André Augusto Cella disse...

Olá,

Com certeza, pode-se visitar todas tranquilamente, porque não são cidades que "fecham" no inverno. Apenas questiono sua vontade de conhecer Bolonha, porque é uma cidade universitária que pode estar com movimento abaixo do normal em períodos de recesso escolar. Além disso, não tem tanto o que ver - há lugares ao redor mais interessantes. Já fiquei meio "preso" na neve justamente em Bolonha...

Janaina disse...

Bom, pensei em Bolonha porque talvez encontre uma amiga que mora numa cidade pequena perto de lá. Então, Você poderia indicar uma cidade mais agitada neste período perto de Faenza/Bolonha?

André Augusto Cella disse...

Tenho uma prima em Imola, por isso fui p lá. Se quiser passeios diferentes, dê um pulo em Modena (tem a sede da Ferrari em Maranello) e em San Marino (um país independente dentro da Itália, bem interessante para o passeio de uma tarde).