24/04/2010

Nem tudo são flores no Salar

Segue reportagem publicada no Zero Hora dominical desse final de semana, relatando o caso de brasileiros que foram feitos reféns de manifestantes bolivianos enquanto faziam o tour pelo sudoeste boliviano, o mesmo que estou contando aqui no blog:

"Foi um dos piores dias da minha vida", relata jornalista feito refém na Bolívia
Com outros turistas, jornalista de ZH foi retido e ameaçado por nove horas na fronteira com o Chile
Luciano Peres | luciano.peres@zerohora.com.br

Foi, sem dúvida alguma, um dos piores dias da minha vida. Por nove horas, na última terça-feira, eu e outros 90 turistas estrangeirosviramos reféns de manifestantes, sofremos ameaças, passamos fome e frio e nos defrontamos com a intolerância e o desrespeito aos direitos do próximo, em um episódio que expõe a insegurança e a ausência do Estado na Bolívia do presidente Evo Morales.

– Foi aterrorizante – resumiu um companheiro de infortúnio, o moçambicano Ricardo Pereira, 24 anos, que, com a namorada, a portuguesa Pia Carona, 25 anos, viaja do Uruguai ao México e não pretende voltar tão cedo à Bolívia – possivelmente, jamais retornará.

O drama da terça-feira começou às 14h, no segundo de quatro dias de uma excursão pelo altiplano do sul da Bolívia, cujo ápice seria a visita ao magnífico salar de Uyuni. Em um Toyota Land Cruiser branco da agência de turismo Estrella del Sur, eu e mais cinco turistas havíamos acabado de deixar a lagoa Hedionda – como indica o nome em espanhol, bastante fedorenta, devido ao enxofre –, em cujas margens havíamos almoçado, quando deparamos com um bloqueio de manifestantes na estrada de terra.

Rapidamente, dezenas de metros atrás, outro grupo desceu de uma caminhonete e espalhou pedras pela rodovia, bloqueando o nosso e outros veículos lotados de turistas. Não parecia preocupante. Sabíamos que a região era palco desses bloqueios, mas as agências garantiam que os guias seriam capazes de evitá-los, usando desvios. Além disso, imaginávamos que seríamos liberados com rapidez.

Impotência

Bem, nada disso aconteceu. Depois de muita discussão com os manifestantes, os motoristas dos veículos se deslocaram para Abaroa, lugarejo paupérrimo na fronteira com o Chile. Lá, onde chegamos pouco depois das 15h, deveríamos ficar no máximo 15 minutos, segundo promessa dos sequestradores. Ficamos quase oito horas, em um crescendo de desconforto, impotência e tensão.

Foram retidos 17 Toyotas com turistas, incluindo pelo menos sete brasileiros – dois gaúchos (eu e um amigo, o porto-alegrense Claudio Creitchmann), quatro paranaenses e uma mineira.

Em um ponto da estrada, armados com pedras e paus, mais manifestantes nos aguardavam, e um vigia foi estrategicamente posicionado na capota de cada carro.

Desespero

Em determinado momento, o motorista do Toyota que levava os paranaenses tentou fugir do cerco, usando estrada secundária. Foi perseguido e bloqueado. À distância, pude ver seus ocupantes serem ameaçados com pedras. Um dos passageiros, Diogo dos Reis Ruiz, teria horas mais tarde papel importante no drama.

Alçado à condição de porta-voz improvisado dos reféns, deu uma entrevista em bom espanhol a um jornalista da emissora de TV ATB Canal 11, de Potosí, na qual disse o que todos pensavam: manifestávamos até alguma simpatia pelas reivindicações do grupo que nos sequestrou, mas não tínhamos responsabilidade por seus problemas – pelo contrário, estávamos ajudando o país, ao gastar nossos dólares na Bolívia e promover a imagem do país. Infelizmente, de nada adiantou.

Tensão

Por volta das 19h30min, já com o sol desaparecido e a temperatura em queda rumo a OºC, o drama parecia que ia acabar. A reunião dos manifestantes acabou, os motoristas foram informados de que, após terem pago 50 bolivianos (R$ 12,50) por carro, poderiam ir embora, e sequestradores gritavam “que se vayan”.

Apressadamente, os turistas subiram nos Toyotas para deixar o local. Acabou sendo o momento mais tenso. Uma facção mais radical não aceitou a decisão da maioria e montou uma barreira humana para impedir a saída. Nosso carro foi cercado pela turba. De algum lugar na escuridão, uma pedra foi lançada contra nosso veículo, arrancando um grito de susto da portuguesa Pia – mas sem machucar ninguém. A seguir, passaram a balançar o Toyota, até serem detidos pelos mais moderados. Fomos orientados a dar marcha à ré e voltamos ao ponto de partida.

A maioria, eu inclusive, já acreditava que passaríamos a noite sentados nos carros. O território chileno – as luzes do posto fronteiriço de Oyahue eram vistas à distância – parecia cada vez mais convidativo, mas o frio e os 10 quilômetros de caminhada no escuro tornavam impraticável uma fuga. Acabaram nos liberando, às 23h. Mas a tensão persistiu pelas horas e dias seguintes – atrás de cada curva parecia haver manifestantes prestes a nos sequestrar.

ZERO HORA

Um comentário:

Marcos Paulo disse...

Olá, André,

Meu nome é Marcos, trabalho na Ketchum Estratégia, uma agência de relações públicas. Tudo bem?

Tenho uma sugestão, que pode valer um post pro seu blog. Se puder, entre em contato comigo: marcos.paulo@ketchum.com.br .

Obrigado!