13/04/2009

Bruxelas I

Talvez eu já tenha chegado em Bruxelas meio sugestionado a pensar que a cidade não seria grande coisa, mas fato é que esse preconceito acabou se confirmando - não só em mim, como nos demais que viajavam junto comigo. Tanto em programas de humor na TV como em fóruns de mochileiros no Lonely Planet, as referências sobre o lugar não são das mais inspiradoras.

Desde o planejamento do mochilão, deixamos apenas um dia e uma noite para a capital belga e saímos com a sensação de que não poderíamos ter feito melhor.

Claro, há que se reconhecer o fator de que já era final de viagem, que já havíamos visto muita coisa e que podíamos estar mais pensando em voltar para casa do que em ter paciência para dar maior atenção à cidade.

Mas, retornando ao relato da viagem, chegamos na estação central de trens logo depois do meio-dia. Tratamos, antes mesmo de pensar em outra coisa, de comprar as passagens de trem para o dia seguinte, quando iríamos para Luxemburgo.

Dessa vez, ao contrário de todas as outras naquele mochilão, decidimos deixar os mochilões grandes num locker da própria estação, para sair apenas com a mochilinha do passeio diário - com roupa suficiente para passar a noite, tomar um banho e seguir viagem no dia seguinte.

Com isso, gastamos apenas uns 5 euros e, em troca, começamos a conhecer os pontos que nos interessavam sem ter que passar antes pelo albergue (que ficava relativamente longe do centro).

O centrão de Bruxelas não fica a mais do que umas quatro quadras da estação central. Foi só o tempo de conseguirmos um bom mapa num quisoque de informações e já nos dirigimos para a praça central, que é considerada uma das mais bonitas do mundo.
Realmente, toda rodeada por prédios riquíssimos em detalhes (Prefeitura, prédios públicos, bispado, etc.), com flores à venda por todos os lados e com sininhos tocando ao fundo, o lugar impressiona bastante. Ficamos pelo menos uma meia hora de bobeira por ali, enquanto catamos alguma coisa para matar a fome - afinal, não tínhamos almoçado. Eu me contentei com um panini, um refri e uma banana de sobremesa - tudo comido em pé, olhando para a praça.
Depois que nos reencontramos novamente, seguimos algumas quadras para o lado para ver o famoso Manneken Pis, ou simplesmente "Menino Mijando", que é meio que o símbolo da cidade (a foto logo no início do post retrata o bichinho...). A cada dia colocam um roupinha diferente no boneco (a foto sem roupa só se consegue na parte da manhã) e até lá, o que mais há são lojas vendendo réplicas do bonequinho em tudo quanto é utensílio possível.

A praça e a fonte onde está o menino são as principais atrações do centro histórico da cidade. Um pouco mais acima (sim, acima, pois são várias escadarias e subidas) está a parte "real" de Bruxelas, onde fica a sede da monarquia nacional. O castelo do Rei (foto abaixo) não impressiona tanto e o parque que fica em sua frente é bem mais ou menos. A catedral, logo ao lado, tampouco nos empolgou muito - só o Rafael entrou para conhecer o interior.

Algumas quadras a mais, passando por várias estátuas de reis em seus cavalos rompantes e entramos pela primeira vez numa estação de metrô da cidade, para seguir para algum outro ponto mais distante (continua...)


2 comentários:

André Cella disse...

Estou inaugurando um visual novo para o blog, para teste por algum tempo. Não gostei muito da falta de enquadramento das fotos no cabeçalho e nos links para temas especiais, mas vamos ver se me acostumo...

LUCIANA disse...

André...o blog estava legal...pois era bem mais claro e isso tb ajuda a ler. Na minha opnião ficou meio escuro e isso cansa um pouco a vista, mas se vc deixar assim vou ler do mesmo jeito...rssrs...e garanto q os outros tb.

Obrigada por mais um tira-dúvidas!!! Adorei as fotos desta sua viagem...muito maneira e diferente. Um dia eu ainda chego lá...rsrs...

Queria dizer q o Rodrigo já está add no MSN e que vai ser legal tirar mais umas dúvidas e fazer mais um amigo!!!