19/01/2011

Split - Palácio de Diocleciano


Logo no primeiro post em que falei sobre a cidade de Split, quando contei sobre a vinda de Dubrovnik, fiz referência ao Palácio de Diocleciano (que também apareceu naquele post de fim de ano com as fotos do showzinho de ciganos com fogo). É sobre esse mesmo lugar que volto a falar agora.

O palácio de Diocleciano é a maior estrutura romana continuamente habitada do mundo. Desde quando foi feita, no final do século III e início do século IV, foi residência oficial do imperador romano Diocleciano, que abdicou voluntariamente ao seu trono e decidiu descansar na sua terra natal, transformou-se em sede do governo provincial, virou fábrica de tecidos, armazém de armamentos, lugar de comércio barato, antro de prostituição, e por aí vai, até se tornar o centro atual da cidade de Split.

O palácio, na verdade, tem o tamanho de quatro quadras grandes de uma cidades moderna. Há toda uma fortificação externa e só se pode ingressar no interior pelos quatro portões, no centro de cada uma das paredes. Do lado de dentro, várias ruelas separam diferentes prédios, que originalmente eram quartos e setores do próprio castelo - desde a cozinha real, até os quartos dos moradores e empregados, passando pelos templos de adoração religiosa, hoje transformados em templos cristãos.

Essa estrutura gigantesca permanece viva e aberta ao público porque é o próprio centro histórico da cidade. Há lojas, restaurantes, albergues, igrejas, museus - tudo funcionando de forma independente ali dentro. Não há espaço para o ingresso de veículos, por isso toda a área está sempre cheia de pessoas pelos caminhos.

O único espaço mais aberto é o antigo peristilo do palácio (pátio central das casas e palácios romanos onde ficava o altar do deus principal adorado pelo morador), que serve como uma praça medieval à cidade.

Principalmente no paredão da frente, aquele que dá para o mar, há vários recintos subterrâneos, alguns transformados em museus, outros ocupados pelo comércio de souvenirs turísticos e bugigangas.

O grande interesse que o lugar desperta se deve ao fato de justamente permitir uma experiência diferenciada em termos de ruínas romanas. Ao invés de só ficar batendo foto em pilhas de pedras ou em colunas quase caindo, apelando para a imaginação para ver como seriam os templos, aqui o visitante tem tudo ainda à vista, quase inteiro e em boa parte autêntico. A possibilidade de caminhar por dentro de um prédio romano que ainda preserva suas concepções originais não existe na Itália, a não ser por poucas exceções, como o Panteão romano, que ainda tem o teto original.

2 comentários:

osmitis disse...

Ola, Andre,

Conheci o seu site atraves do SweetPerson e amei, jah li vaaarias da suas dicas, e gostaria de um help, please??
Naum tem nada a ver com a Croacia, q por sinal achei beem legal atraves dos seus relatos.
Mas eh o seguinte eu estou planejando meu 1 mochilao sozinha pela Europa e tenho um roteiro por uma agencia naum sei c tu conheces?? a STA Travel, eles fazem 17 dias por 7 paises e como estou indo sozinha e 1 vez, achei interessante, e comeca em Londres onde eh uma das cidades q eu estou mais curiosa eu posso chegar uns 2 ou 3 dias antes de comecar o tour pela agencia e termina em Paris onde tambem eu posso ficar mais uns 2 ou 3 dias outra cidade tbem q estou bem curiosa!! E o voo de Paris pra Sao Paulo tah saindo em torno de uns U$ 500,00 a U$600,00, eu vou ter q comprar one way :( pq saio dos US.

O q vc acha?? C fosse vc??

Desde jah muito obrigada pela atencao, c vc achar interessante posso te mandar o roteiro completo q a gencia me mandou, mesmo c eu naum for por ela eh uma boa base pra roteiro :)

Muito obrigada!!!

Paula

André Augusto Cella disse...

Olá, desculpas pela demora, mas passei uma semana bem corrida. Se quiser que eu dê uma olhada no roteiro, pode mandar para andrecella@yahoo.com.