16/06/2012

Greves na Espanha


As greves são uma realidade frequente em vários países da Europa e, principalmente numa época de crise, como esta que estamos vivenciando, devem ser um fator surpresa para o qual os visitantes precisam estar preparados.

Em minhas idas e vindas pelo Velho Continente, já me deparei com três movimentos desse tipo, que de formas diferentes, obrigaram-me a fazer algumas modificações de última hora nos meus planos.

A primeira vez foi na Itália, durante o inverno (por lá, greve é chamada de "sciopero"). Saí de manhã bem cedo, depois de acordar em Imola, onde mora uma prima, para ir a Veneza de trem, passar o dia com a minha mãe. Ao chegar na estação para comprar os bilhetes, o sujeito do balcão já me alertou que não poderia vender passagens até Veneza, porque havia redução de frequências no dia e não podia garantir o horário da minha chegada. Vendeu-me apenas o bilhete até Bologna e disse que lá eu poderia me informar melhor. Chegando em Bologna, consegui comprar passagens, mas só para um horário duas horas posterior, porque outros dois trens antes disso tinham sido cancelados. Na volta, da mesma forma, tivemos que esperar uns dois trens cancelados para conseguir embarcar num terceiro, presumivelmente lotado de gente.

A segunda vez foi na França (uma "grève"), sobre a qual já fiz um breve relato em um post sobre Paris. Nosso voo de volta ao Brasil estava previsto para as 10h da manhã e, na noite anterior, por insistência da minha mulher, perguntei ao dono do hotel se poderíamos reservar um táxi para o aeroporto na manhã seguinte. Foi aí que ele me disse, como a coisa mais óbvia do mundo, que no dia seguinte tudo estaria parado e que, como não haveria trem ou metrô, os táxis estavam todos reservados. Insisti para que ele ligasse para alguma cooperativa para nós e, por “sorte”, conseguimos um que nos levasse às 5h da manhã para o Charles de Gaulle, porque todos os horários posteriores estavam reservados. Com isso, tivemos um chá de banco de 4hs no aeroporto e, evidentemente, uma noite de sono bem mais curta.

A terceira  que presenciei foi uma Greve Geral (em espanhol, "huelga general"na Espanha, durante esta visita no final de março e início de abril de 2012. O dia 29 de março estava sendo anunciado havia vários dias como um dia de paralisação geral de todas as atividades, públicas ou privadas. Embora a expectativa inicial fosse a de que a adesão não seria tão grande, fato é que um dia antes fui avisado numa estação que NENHUM trem circularia no dia seguinte. Da mesma forma, fiquei sabendo que até mesmo atrações turísticas, como a Alhambra, em Granada, não abririam.

Engoli o prejuízo da entrada antecipada comprada para a Alhambra (poderia trocar para outro dia se fosse até lá, mas não tinha tempo no meu roteiro) e do albergue reservado para uma noite, mas como já estava esperando algo do tipo, nem me estressei. Aproveitei o dia para ir com o Harold ver um pouco das manifestações e curtir uma Sevilla com cara de feriado, em plena quinta-feira.





De fato, a greve geral parou a cidade e o país, principalmente pela manhã. Muita gente foi até os pontos onde havia líderes, na sua maioria de sindicatos, gritando palavras de ordem por megafones, com o povo agitando bandeirinhas e bradando contra os grandes capitalistas.

Dentro daquela perspectiva de que Sevilla é um lugar para viver experiências, e não tanto para olhar, não posso dizer que não tenha incluído mais uma das experiências tipicamente espanholas na minha lista!

2 comentários:

Anônimo disse...

Andre pretendo ir de lisboa p madri de tren dia 19/07, mas não estou conseguindo fazer reserva. O q vc me orienta?
Sou carioca e é a minha 1ª fez na Europa. chego a lisboa dia 11 p um congresso na Univ de Lisboa.
Obrigado pela ajuda.

André Augusto Cella disse...

Não entendi direito se sua pergunta é por reserva de trem ou de hotel... Se for de hotel, dê um jeito, afinal, tem que chegar com hospedagem garantida na Europa p não correr riscos na imigração. Se está falando de trem, sem galho, compra 1 ou 2 dias antes que é garantido. Pense bem se vc realmente quer andar 10hs num trem para fazer o que um avião faz em 1h...