08/07/10

Santiago: do aeroporto ao centro


O aeroporto de Santiago fica fora da cidade, a uma distância de mais ou menos 20km do centro, numa cidade da região metropolitana chamada Pudahuel. Ir a pé está totalmente fora de questão, portanto.

O metrô de Santiago, embora seja o maior da América do Sul em número de linhas e estações, ainda não chegou até lá (e nem vai nos próximos anos). Com isso, para quem quer economizar, como todo bom mochileiro, as opções ficam um pouco mais restritas.

Um táxi do aeroporto até a região central da cidade sai relativamente mais barato do que no Brasil, mas ainda assim é um preço caro a ser pago por apenas 1 ou 2 pessoas. Se estiver num grupo de 3 ou de 4, já é uma boa opção a se considerar. Além de ser o meio mais rápido e seguro, ainda traz a vantagem de ir mostrando a paisagem até o destino, bem como de levar os passageiros com bagagem mais pesada (e a mochila?!) de ponto a ponto, sem esforço. Só cuidado com o horário: na hora do rush, de manhã cedo ou no fim da tarde, pode ser uma grande roubada, porque geralmente há muito trânsito. Na saída da sala de recolhimento de bagagem, normalmente vários taxistas assediam os turistas de um jeito bastante irritante, tentando convencer os turistas a irem com eles. O melhor é ir até um balcão e comprar uma corrida por um preço fechado ao invés de seguir com esses desconhecidos.

A melhor opção, na minha opinião, é pegar um ônibus daqueles que só fazem o trajeto do aeroporto (shuttle), que são um pouco mais caros do que os ônibus urbanos comuns, mas que tem guarda-bagagem, poltronas estofadas e um pouco mais de segurança. Há umas duas ou três empresas desses ônibus saindo do terminal de desembarque do aeroporto, de 15 em 15 minutos, com qualidade e preços semelhantes. Custam aproximadamente uns 8 reais por pessoa e permite saltar na estação Pajaritos ou na Alameda (de onde saem ônibus para outras cidades, como Valparaíso e Viña Del Mar), além do destino final da linha, que costuma ser as redondezas do Palácio de La Moneda, no centro. De qualquer forma, você terá de pegar mais um metrô ou outro ônibus para chegar ao seu albergue ou destino final, o que custa ainda uns 2 reais por pessoa. Para evitar o trânsito pesado nas horas de pico, a dica é saltar na estação Pajaritos e pegar o metrô já desde ali, porque os congestionamentos são na área mais central da cidade.
Para quem estiver querendo economizar mesmo, ainda restam opções de ônibus urbanos comuns, que levam quase uma hora no trajeto até o centro, mas garantem uns pesos chilenos a menos.

Eu, pessoalmente, já fiz o trajeto dos dois primeiros jeitos, sem problemas. À noite, com preguiça, optei pelo táxi, mas de dia, quando não estava com pressa, fiz o esquema bus-metrô em Pajaritos.

5 comentários:

Anônimo disse...

Obrigada pelas informações. Serão muito úteis!!!

Anônimo disse...

Obrigadaaa!

Anônimo disse...

Andre, me dá uma dica de lugar mais barato para ficar, como pousada, casa, sei lá...
Vou agora em Julho e também, é ´fácil trocar o dinehiro lá?
Ou melhor já levar uma some em pesos???
Grata!

André Augusto Cella disse...

Saque dinheiro em caixas automaticos locais ou leve dolar p trocar no aeroporto ou no centro.
P pesquisar hospedagem, procure no Centro, no Lastarria e na Bellavista, pelo Hostelworld.com

Gabriel disse...

Muito legal suas informações André!
Obrigado.
Um abraço.