06/03/2011

Valparaíso - parte III



Caminhando meio que sem rumo por Valparaíso não é difícil perceber como a cidade tem um ar de decadência. Muitos dos casarões luxuosos de antigamente que não foram aproveitados como centro de exposições, restaurante ou hospedagem estão abandonados, com vidros quebrados e até mesmo com lixo em seu pátio.

Na parte baixa da cidade, onde ficam os prédios públicos, tudo tem cara de que parou há uns 80 anos atrás e hoje não parece haver muito sentido numa concentração tão grande de serviços públicos, comércio e poder num lugar como aquele.

Muitas das pessoas que conhecem a cidade acabam não gostando do lugar, justamente por essas questões, mas outras tantas, como eu, conseguem enxergar naquilo tudo um lugar diferente para se conhecer. Não posso deixar de recomendar um passeio com mais calma à cidade, porque realmente a achei muito diferente de outras tantas.

Para quem fica mais alguns dias na região, Valparaíso pode ser um bom ponto de partida para a terceira casa de Pablo Neruda, em Isla Negra. Lá foi o lugar onde o artista viveu por mais tempo e que parece ser o mais interessante de todos.

No caminho, ainda é possível conhecer a maior piscina do mundo, em Algarrobo, numa espécie de condomínio de apartamentos privativos, mas que permitem a entrada de visitantes mediante o pagamento de uma taxa um pouco salgada, mas que vale a pena para quem quer matar a vontade de ir na tal piscina.

OBS: em tempo: o Congresso Nacional do Chile, que fica em Valparaíso, é esse da foto abaixo. Uma perda de tempo ir até lá. Além de feio, de ficar numa região sem nenhum atrativo, pelo que soube não é possível visitar por dentro.

3 comentários:

Anônimo disse...

Eai André!
Bem legal o seu Blog, parabéns. Eu gosto de mochilar mas nunca cheguei tão longe quanto você, mas vou chegar! hehe
Como eu mochilo sozinho, fico pensando, putz será que pra ir à estes paises da pra ir sozinho ?!
Então, gostaria de saber se você mochila sozinho ai ou está com alguem ?
abraço!

André Augusto Cella disse...

Os unicos lugares que fiz sozinho foram Buenos Aires, Montevideo, parte da Italia, Eslovenia e Eslovaquia, o resto sempre tive alguem junto (amigos, familia, mulher). Da tranquilo p fazer tudo so, mas as vezes nao se curte tanto a noite ou os melhores lugares p comer. Muita gente acaba fazendo amizades em albergues, por isso se viajar dessa forma, abra-se a esta possibilidade! Abraços de Cancun (de onde estou postando hoje!)

Anônimo disse...

Olá André!

Gostaria de saber quanto de dinheiro mais ou menos é necessário para se fazer uma viagem desta?