30/11/2010

Passeio por Montenegro - Kotor


Kotor é a cidadezinha que dá nome à baía em cujo canto mais profundo ela se localiza. Na Idade Média, foi dominada pela República de Veneza (na época recebeu o nome de Cattaro) e foi construída como um lugar fortificado, estrategicamente localizado num lugar protegido a meio caminho entre Veneza e a Grécia.

Kotor é famosa por ser uma das cidades medievais mais bem preservadas de todo Mediterrâneo. Embora o turismo tenha caído bastante durante os anos 90 e o início dos 2000, com o fim da Iugoslávia, a recente independência de Montenegro colocou o lugar novamente nas listas de muitos visitantes. Hoje, Kotor é um dos lugares mais visitados por navios de cruzeiro que saem de Veneza em direção às ilhas gregas (navios da MSC, da Costa Cruzeiros ou da Norwegian Cruise Line).
Cruzeiros significam multidões, e esse é o principal problema de uma visita ao lugar. Entre as 10h da manhã e as 16h, em dias de cruzeiros, a cidadezinha fica tomada por velhinhos em grupos de 30 a 60 pessoas, com guias puxando a boiada enquanto gritam as explicações sobre cada lugar. Conosco não foi muito diferente, já que estávamos numa excursão organizada.

Logo depois do estacionamento de veículos, entra-se na cidade pelo único portão na muralha que dá uma forma de funil à cidade, com a montanha na única face não amuralhada. Para chegar ao portão, passa-se por um fosso de água que chega a ser de uma cor esmeralda, de tão verde e cristalina.
Do lado de dentro, a primeira coisa que se vê é uma praça medieval, onde ainda existe uma "coluna da vergonha", onde eram presos os ladrões, adúlteros e estelionatários para serem xingados e espancados pelos cidadãos como punição. Toda a praça é rodeada por prédios históricos, que precisam sempre estar impecáveis para manter o título de Patrimônio da Humanidade da UNESCO. Hoje, a maioria virou restaurantes e bancos.

Há bancos por toda parte, por um simples fator: Montenegro não tem moeda própria e adotou o euro como padrão. Por isso, que chega da Croácia, da Bósnia ou da Sérvia, ou mesmo da Rússia, precisa tirar dinheiro local e acaba fazendo isso no primeiro lugar que visita. Além disso, é uma oportunidade para simplesmente comprar euros sem ter de pagar taxas a casas de câmbio de aeroportos ou de cidades maiores.
Há várias igrejas, católicas e ortodoxas por toda a cidade, bem como fontes, museus, mansões históricas. O lugar é daqueles labirintos medievais que dão vontade de ser melhor explorados numa visita com mais calma.

Uma das coisas mais interessantes para se fazer na cidade é subir as várias muralhas e escadarias que foram sendo construídas pelos locais ao longo dos séculos até a parte mais alta da montanha que fica atrás da cidade, permitindo acesso a grutas religiosas, igrejas e a vistas de toda a baía de Kotor.

Mesmo com pouco tempo no lugar, tratamos de ver de tudo um pouco e principalmente de subir o quanto desse nas escadarias ao longo da montanha. O sol do meio-dia nos castigou bastante e chegmos a uma igreja, que era nosso objetivo final, completamente encharcados de suor e com muita sede.

O resultado foi que nos atrasamos e fomos os últimos a chegar no microônibus da excursão, sob os olhares de reprovação do resto do grupo, que já se referia a nós a boca pequena como "os brasileiros atrasados".

Um comentário:

Enrico Luzi disse...

Valeu André ! Estou em Sarajevo pesquisando como chegar em Kotor e já curti ler algumas infos boas sobre a cidade por aqui.

Abraço ! Vou ler mais do teu blog aqui, até !