30/01/2009

AMSTERDAM - Impressões

As primeiras impressões que tive de Amsterdam, logo que cheguei lá, não foram muito boas. A sensação era de uma confusão total, com gente de tudo que é tipo se cruzando com transportes de todas as espécies, num limitado espaço físico, em boa parte inutilizável pelo fato de estar coberto de água!
No entanto, à medida que se vai caminhando pela cidade e entrando no seu clima, a opinião sobre ela muda radicalmente. Hoje lembro e percebo que se vive muito bem lá. A qualidade de vida das pessoas é muito boa, porque se anda de bicicleta por quase tudo (inclusive à noite, para ir e voltar da boate), sem que haja nenhum constrangimento "por não ter carro". A pouquíssimos quilômetros da cidade, tem-se uma natureza vibrante, com campos mais bucólicos do que se poderia encontrar num rincão isolado do interior do Brasil.

Tudo isso é envolvido por todas as facilidades da vida moderna, que às vezes estão escondidas no interior de prédios com mais de 300 anos de idade, muito bem preservados ou restaurados.
Olhando fotos antigas em museus ou exposições, vi que a cidade sempre foi assim. Movimentada, vibrante. Parece que os holandeses gostam de se sentir bem e não dão bola para "tradições" ou para o "respeito religioso".
A tolerância é a marca da cidade. Tolerância com tudo que é diferente. Igrejas de quase mil anos convivem muito bem com o bairro em que as prostitutas se oferecem em vitrines. Criancinhas de 6 anos de idade (e seus pais) não se constrangem em passar pelo dito bairro ou por algum sujeito que exagerou um pouco na droga que consumiu. Aparentemente, não há racismo, e é normal ver restaurantes de comida surinamesa, argentina, italiana, indiana e local lado a lado, freqüentados por todo tipo de gente. Onde mais se faria uma quadra de futebol de areia ao lado do Palácio Real?
No início, uma certa "poluição visual" é capaz de deixar o sujeito inquieto ou desconfortável com a cidade, mas com o tempo se percebe que basta olhar para o lado e ali está a tranqüilidade de um canal, com um barquinho ancorado e flores por todos os lados.
Chegamos em Amsterdam numa sexta e fomos embora só na terça de manhã. Com isso vimos muito bem a diferença que é o movimento daquela cidade no fim de semana e fora dele. Recomendo fortemente que se visite a cidade no final de semana, para senti-la de verdade. Na segunda, depois de tudo aquilo que vimos, ela se tornou até meio monótona - tanto que saímos para fazer passeios em outras cidades lá por perto.

Uma dica de sobrevivência: cuidado com as bicicletas e os bondes. Se estiver caminhando e ouvir uma sineta, corra para o lado!

2 comentários:

Leonardo Picinati disse...

André,
Blz cara?
Sou de Vitória, ES e, estou preparando meu primeiro mochilão para o exterior. Minha primeira parada vai ser na Bolivia. Li todo o seu blog sobre tal. Gostaria de algumas dicas de valores.
Qq coisa add no msn, abração
picinati@hotmail.com

Abração,
Leonardo Picinati

Anônimo disse...

E aí td tranquilo?
Vi que vc já esteve em Slubice-POL. Gostaria de algumas informações de como ir de Berlim até essa cidade. Muito bom seu blog, parabéns!
É possível que vc me adicione no msn p/ me passar informações?
Desde já mto obrigado.

jonataswillian@hotmail.com