11/09/2009

Passeios pela Região de Salta

Em Salta, como em várias outras grandes cidades turísticas do mundo, há uma grande variedade de passeios que se pode reservar e comprar com um dia de antecedência, para conhecer as principais atrações. Os roteiros, os preços e as condições mudam muito pouco de uma agência de turismo para a outra, como logo pudemos perceber, depois de conhecer algumas delas nas quadras mais centrais da cidade, principalmente ao longo da Calle Buenos Aires.

A peculiaridade de Salta é que quase todos os passeios envolvem muitas horas de estrada. Quase tudo fica numa distância entre 80km e 200km da cidade, portanto são passeios de dia inteiro, na maioria.

Os mais conhecidos (a escala de qual é o melhor é muito pessoal) são os seguintes:
SALINAS GRANDES: é um passeio que leva os interessados até um "mini-salar" que existe ao lado da estrada que liga Salta a San Pedro de Atacama, via Paso de Jama. No lugar, pode-se ter quase a mesma sensação do Salar de Uyuni: um deserto branco e plano, onde se perdem as referências. No caminho, passa-se por altitudes de até 4.200m sobre o nível do mar, com muitas curvas. Lá nas salinas, é possível entender como se estrai o sal e comprar tudo quanto é coisa feita de sal.
TREN A LAS NUBES: o famoso "Tren a Las Nubes" é um antigo trem que liga Argentina e Chile, com início nas imediações de Salta e final em Antofagasta. Serve eminentemente para transporte de carga, mas pela beleza da paisagem, transformou-se numa das maiores atrações turísticas do mundo. Só foi superado em altitude pela recente construção do trem Transtibetano. O grande problema é que esteve fechado por uns 3 anos e, agora, reaberto, só funciona aos sábados (na alta temporada de verão também às quartas). Outro problema é o preço: USD 140,00. O tempo de duração do passeio, de 14hs para ir e voltar, quase sem paradas, também desanima. Por isso tudo, as agências criaram passeios de caminhonete pela mesma rota do trem, para conhecer os principais pontos e permitir inclusive um almoço em San António de los Cobres, cidadezinha a 4.000m de altitude, com visita ainda ao viaduto de La Polvorilla, ponto alto do passeio.
PURMAMARCA: essa cidadezinha é famosa pelo Cerro de los Siete Colores. Pequeninha, rodeada por montanhas de rochas coloridas que mudam de cor conforme o sol, com uma igrejinha colonial e pracinha central bem preservadas, transformou-se num lugar cheio de hotéis 5 estrelas e pousadas butique. É cheia de porteños e até lugar para lua-de-mel de argentinos, apesar do pó que costuma aparecer com os ventos de fim de tarde. Pode ser visitada tanto em tours pela Quebrada de Humahuaca como na volta de Salinas Grandes.
QUEBRADA DE CAFAYATE: a rodovia que liga Salta e Cafayate, 80km ao sul, é cercada de rochas e montanhas tombadas pela UNESCO como patrimônio natural da humanidade. A região parece um pouco com aquilo que se vê do Grand Canyon americano. Há vários pontos de interesse no caminho, como o Anfiteatro, a Garganta del Diablo, o Sapo e outros vales e formações rochosas interessantes. Em Cafayate, visitam-se vinícolas - o lugar é o maior centro produtor de vinho argentino depois de Mendoza.
QUEBRADA DE HUMAHUACA: quase inteiramente localizada na província de Jujuy, ao norte, essa quebrada no meio das montanhas é um lugar de paisagens tibetanas. Uma estrada e uma ferrovia desativada seguem pelo seu centro, com várias cidadezinhas no caminho. Algumas, como Tilcara, são especialmente desenvolvidas no turismo. Outras são comunidades indígenas típicas. Há fortalezas indígenas, parques cheios de cactus e bastante história relacionada ao fim do Império Inca e à Independência Argentina envolvida.


CACHI E VALLES CALCHAQUÍES: esse passeio foi o único dos principais que não fizemos. Cachi é uma cidadezinha típica que até não tem tanta atração, mas o que vale é o caminho. A estrada até lá passa por paisagens surpreendentemente verdes para a região, é toda rodeada de montanhas e dizem ser muito bonita.

Um comentário:

maria isabel disse...

Olá,

Estou planejando uma viagem por parte da América do Sul, e parte da minha rota bate com a que você descreveu nesse post!
Gostaria de saber se, de repente, você poderia me dizer o preço médio desses passeios de caminhonete?

Obrigado!
- Maria Isabel