06/02/2010

Passagens de trem para Uyuni, com reserva do tour pelo Circuito Sudoeste


Depois de muita, mas muita pesquisa na internet, acabei descobrindo duas possibilidade de reserva antecipada de passagens de trem entre Villazón e Uyuni.

A primeira delas não funciona para nós, brasileiros, que estamos saindo daqui do nosso país. Ela é feita pela empresa Balut, de ônibus. Na estação rodoviária de Retiro, em Buenos Aires, é oferecido a quem compra uma passagem de ônibus Buenos Aires – La Quiaca o serviço de reserva de passagens de trem. No entanto, o serviço deve ser pago em dinheiro, na própria estação Retiro, e só é feito para quem compra a passagem de ônibus desse trecho.

A segunda opção, que foi a que acabamos conseguindo, hoje parece lógica, mas foi muito difícil descobrir. Há pelo menos uma agência em Villazón, a Imperio Inca Tours, que oferece pacotes em que vende as passagens de trem entre Villazón e Uyuni e já reserva o Tour pelo Circuito Sudoeste, a partir de Uyuni, em parceria com agências dessa cidade.

Só descobri a existência dessa agência, chamada Imperio Inca Tours, através de um blog de uma mochileira argentina. A Imperio Inca, de Villazón, trabalha com duas formas de pagamento de reservas: depósito em bancos argentinos, como o Banco de La Nación, e transferência de dinheiro através da Western Union.

Parece bicho de sete cabeças, mas não é. A Western Union tem convênio com o Banco do Brasil e, por isso, qualquer pessoa que tenha uma conta no BB pode remeter dinheiro através desse sistema, por uma pequena taxa.

Já estávamos praticamente certos de fazer a reserva com essa agência ainda aqui no Brasil. Troquei e-mails com o dono da agência, Alfredo Fernandez, passei nossos dados e as datas que queríamos e até peguei as informações necessárias para a transferência do sinal em dinheiro para a reserva, mas na hora de fecharmos, uma notícia bombástica para nossos planos veio à tona.

Segundo os jornais, a Bolívia estava pensando em fechar suas fronteiras com a Argentina, temporariamente, para prevenir a propagação da Gripe A. Com isso, a alternativa de chegar a Uyuni por Villazón cairia por terra.

Saímos de Santa Maria já conformados com a idéia de fazer o tour saindo e voltando por San Pedro de Atacama, mas, no caminho, ainda em Salta, vimos que a ameaça não tinha se concretizado. Retomei o contato com o dono da agência em Villazón, primeiro por e-mail, depois pelo telefone que ele me passou, e acertamos que faríamos a transferência do dinheiro. O Rafael pediu à sua gerente aqui no Brasil que fizesse a transferência e a reserva foi feita.

Quando chegamos em Villazón, já tínhamos combinado que chegaríamos direto na agência de turismo para pegar as passagens e as reservas do tour e para almoçar, e assim fizemos.

O Alfredo, o dono, um sujeito formado em contabilidade, simples e muito simpático, nos recebeu com um chá de coca e com as reservas. Como disse que não tinha localizado o depósito, ainda foi preciso entrarmos em contato com o Banco do Brasil para pegar o número da transferência, mas aí tudo se resolveu. Deixamos nossas mochilas no escritório dele e, assim ganhamos alguma horas para ficar vadiando até a hora do trem sair, por volta das 3 da tarde.

OBS: ao fazer esse post, acessei a página da FCA e parece que estão começando com as reservas para estrangeiros direto por e-mail. Quando viajamos, ainda não havia essa possibilidade. Vale a pena consultar.

3 comentários:

Murilo Pacheco disse...

Olá Andre, estou querendo passar pelos mesmos lugares que vc descreve, estou na fase da pesquisa do melhor roteiro, vou sair de Foz do Iguaçu em direção a Salta, conhece esse trageto? De salta a Villazon vc foi como? Se tiver mais informações agradeço a ajuda. Valeu e properas viagens.

Murillo

André Augusto Cella disse...

Cara, desça até Corrientes e de lá pegue outro bus p Salta. Sobre Villazon, leia o proximo post. Tudo tranquilo, bem mais facil que Ciudad

André Augusto Cella disse...

Mais facil que ciudad del Este...