25/05/2012

Red Sky Bar


No nosso último fim de tarde na Tailândia, fizemos um programa que é quase obrigatório para quem conhece Bangkok, e que ainda não tínhamos cumprido em 5 dias na cidade: tomar um drink ao pôr do sol num dos bares que existem nos terraços dos arranha-céus mais altos da cidade.

Para chegar lá, foi simples: simplesmente apertamos o andar nº 55 do elevador do nosso hotel. Nesse andar, fica o restaurante do Grand Centara, que dá acesso ao Red Sky Bar, no 56º andar (aonde se chega por escadas).

Embora seja necessário reservar com algumas horas de antecedência para jantar no bar a céu aberto, para tomar uma bebidinha no final da tarde, basta chegar que, segundo os funcionários, quase sempre há espaço livre.

Não é cobrado nada a título de entrada, mas, como era de se esperar, os coquetéis e cervejas tem um preço bem salgado, para padrões tailandeses, mas nada que alguém acostumado com a noite carioca ou paulista possa se assustar.




E foi isso que fizemos: chegamos, pegamos nossa mesinha (surpreendentemente há bastante privacidade, porque as mesas são distantes umas das outras) e pedimos as nossas bebidas. Depois de uns momentos iniciais, admirando a paisagem e hesitando em sacar a máquina para começar a bater algumas fotos, vimos que era exatamente para isso que as outras pessoas também estavam ali e fizemos o mesmo.

Na hora da saída, quando já estava mais escuro, tirei também umas fotos da área principal do bar, no nível do 55º.



O Red Sky não é o mais alto da cidade (há outro no 63º andar), mas é um dos mais famosos. Existem outros, um deles, aliás, conhecido por ter servido de cenário no filme “Se Beber não Case 2”. Para uma lista com outras opções, sugiro o site http://www.bangkok.com/top10-rooftop-bars.htm

O programinha de fim de tarde fechou com chave de ouro nossas férias no Sudeste Asiático. Mais tarde, jantamos e na manhã seguinte, logo depois de café, já estávamos num táxi rumo ao aeroporto internacional, para tomar um voo de volta da Istambul.

Como a companhia tinha nos dito, o casacão que esquecêramos na ida dentro do avião nos foi devolvido no check in. Fizemos o despacho das bagagens, a imigração, buscamos nossos impostos de volta no tax free e gastamos o que ainda tínhamos de moeda local nos free shops.

Ao contrário da ida, agora o voo de volta seria todo à luz do dia, com as 5 horas que nos foram tomadas sendo devolvidas. Saímos por volta do meio-dia no horário de Bangkok e, depois de sobrevoar Myanmar, Bangladesh, Índia, Turcomênia, Azerbaijão e Geórgia (esses dois com montanhas todas coberta s neve no Cáucaso), chegamos por volta das 17h30 em Istanbul, com uma temperatura de 6°C. Dessa vez, não havia bebês chorando e conseguimos ler e olhar bastante filmes, para fazer como manda o figurino: mantermo-nos acordados o máximo possível no voo sentido leste-oeste.

8 comentários:

Anônimo disse...

André, eu queria muito saber como vc faz para se organizar e viajar? Porque sempre tem o trabalho e os estudos... Como fazer pra poder viajar assim, tanto tempo? Me dê algumas dicas, bjs

André Augusto Cella disse...

Olá!

Embora o blog só tenha começado em 2008, relato aqui viagens ocorridas desde 2003. Normalmente, cada dia de viagem se desdobra em algo entre 1 a 3 posts, separando as atrações visitadas.

Normalmente faço duas viagens ao exterior por ano, com duração média de 15 dias, sempre colocando algum lugar diferente no meu roteiro. Já são 9 anos viajando, o que por baixo já deixa a conta em 18 viagens.

Foram 2 mochilões grandes pela América do Sul, 4 mochilões grandes pela Europa, mas 2 viagens à Europa com minha mulher, além dessa à Tailândia. Tirando isso, já passei feriadões (principalmente de Páscoa) no Uruguai, na Argentina, no Chile.

Tenho 30 dias de férias como todo mundo, mas posso fracionar esses 30 dias como bem quiser, em até 3 partes. Assim, emendando num feriadão aqui e outro ali, consigo chegar a uns 36 dias de férias por ano. Como trabalho em processos da Justiça Federal, temos ainda o período de recesso, de 20/dez a 6/jan, em que não há prazos correndo e que normalmente permitem uma viagem mais curta ou uma emenda com um período de férias.

Férias, p mim, são sinônimo de viagem. Se saio de férias na segunda, no sábado de manhã anterior já estou indo p o aeroporto. Se as férias terminam na sexta, só chego em casa no domingo e vou trabalhar segunda.

No mais, a organização de viagem é meio que o meu "hobby". Sempre tenho alguma coisa em mente para o futuro, mas ao contrário do que imaginam, não planejo antes os passeios de cada lugar. Só acerto o transporte aéreo, a hospedagem e eventual locação de carro - tudo mais vejo durante a viagem, com os guias que levo.

Os outros 320 dias do ano são de trabalho e estudo mesmo!

Marina disse...

André,
você saberia me dizer quanto se gasta em média por dia em um mochilão na Europa? Considerando comida,passeios, baladas e tal..
Obrigada pelas suas dicas do blog! tem me ajudado muito a montar meu roteiro

André Augusto Cella disse...

Coloca no orçamento R$ 2.200 em passagens aéreas de ida e volta do Brasil, mais R$ 3.000 por semana, ficando em albergues de boa qualidade, usando transporte público nas cidades, jantando fora, saindo à noite umas duas/três vezes por semana, fazendo todos os principais pontos turísticos de cada cidade e usando cias low cost no deslocamento entre cidades.

Josy disse...

Acabei de ler todos os seus posts da Tailândia - estou no meio do processo "fazer roteiro". Escrevo para agradecer. De verdade. Seus textos são ótimos, o cuidado que você tem com o blog (e, por consequência, com os seus leitores) realmente me impressionou. Volto aqui depois da viagem para contar como foi. :) Abs!

André Augusto Cella disse...

Muito obrigado. São incentivos assim que me fazem continuar!

Anônimo disse...

oi andré td joia. estou pensando seriamente em jantar no sky bar red com minha esposa. quanto vc acha que devo desenbolsar? cesar

André Augusto Cella disse...

Pelo que lembro, os drinks custavam em torno de 20 reais, ms nao vi o cardapio da janta. Acredito que gaste algo entre 180 e 250 reais ...