22/02/2011

Mercado Público de Santiago


O Mercado Público em Santiago é um dos mercados mais legais em que já estive.

Embora as opções de restaurantes sejam um pouco restritas, porque o tal de "Donde Augusto" tomou conta da maioria absoluta dos espaços disponíveis para locação, praticamente monopolizando o atendimento, há bastante bancas vendendo de tudo um pouco, especialmente frutos do mar.

No dia em que estive lá pela primeira vez, quando fui ao jogo do Grêmio, o pessoal sabiamente seduziu os turistas brasileiros colocando bandeiras do Grêmio e saudações aos torcedores em vários lugares.
Quando a pessoa senta numa mesinha daquelas, os garçons sempre tentam a todo custo convencer o cliente a pedir a tal de centolla, um crustáceo meio lagosta, meio caranguejo, que custa pelo menos R$ 100 para dois comerem. Apesar dessa forçação de barra, dá para escolher coisas bem mais baratas.

O prato mais típico do pobre chileno, como o próprio nome já diz, é o "lomo a lo pobre". O troço é para profissionais (famintos): trata-se de um bife de gado, coberto com quantidades até excessivas de batatas fritas, um ou dois ovos fritos e ainda um bom tanto de cebola picada.
Vi muito marmanjo remando para conseguir pôr fim ao prato, sem sucesso. A quantidade de comida é muito grande mesmo, mas a gordura também (hehehe).

O conceito do "a lo pobre" também se aplica a outros tipos de pratos, por extensão. Assim, por exemplo, ao invés de pedir apenas um filé de salmã na "plancha", ou seja, na chapa, pode-se pedir um "salmón a lo pobre", que o peixinho vai vir coberto de batata frita, cebola e ovos fritos.

Uma dia extremamente importante para quem não sabe muito de espanhol e não gosta de misturar fruta com comida salgada: muitos pratos no Chile são feitos com palta, que significa abacate. A primeira vez que pedi um hamburger por lá não me dei por conta, achei que era algum creme verdinho com alface e só depois percebi que era na verdade o malfadado abacate.

Na segunda vez em que fui lá, quando voltávamos da viagem do Atacama e basicamente só visitamos o Valle Nevado, comemos no Donde Augusto e a "gentileza" dos garçons era tanta que não demorou muito ele já estava nos perguntando se queríamos que ele arranjasse uma "marijuanacita" (!!!) Bah...

Um comentário:

Luiza D. Henz disse...

olá!!
tudo bem?

Estou preparando um mochilao com meus pais pela Europa, encontrei teu blog e gostei... estou seguindo ok?

Se quiser dar uma passadinha no meu... hehehe

bjo