20/02/2011

Museus em Santiago

Santiago tem bastante museus interessantes, com atrações bem diferentes entre um e outro.

Além do Museu Histórico Nacional, do qual falei no post passado, e que fica bem em frente à Plaza de Armas, contando a história do país desde a Colônia até a República, existe um outro museu bem menor, chamado Museo de Santiago, que conta a história da capital chilena desde a fundação até os dias atuais.

O lugar é essa casarona avermelhada, na Calle Merced (foto no início do post), em direção oposta ao antigo Congresso Nacional. Há várias maquetes com a evolução da cidade, mas como o próprio guia Lonely Planet define o lugar, as exposições são um pouco amadoras. Esse foi outro lugar em que só valeu a pena entrar porque fomos no domingo pela manhã, quando o ingresso não era cobrado.

Na região central da cidade, no entanto, existe um museu que eu recomendo bastante. É o Museo Chileno de Arte Precolombino, que fica próximo ao antigo Congresso e que também tem entrada franca aos domingos. Mesmo que não esteja lá nesse dia, vale a entrada.
O lugar tem uma das maiores (se não a maior) coleções do mundo de peças de arte e do cotidiano das culturas indígenas americanas, de antes da época do descobrimento pelos espanhois. Objetos das culturas asteca, maia e inca formam a maior parte do acervo, mas há também itens da cultura da ilha de Páscoa (inclusive com alguns moais gigantes) e até mesmo dos indios marajoaras brasileiros, além de tribos dos Estados Unidos e do Canadá (com os famosos tótens).

A exposição permanente fica no andar superior, que é bastante extenso, e embaixo ficam exposições temporárias e o café do museu, com a lojinha de souvenir. Pela qualidade do museu, até que estava bem tranquilo andar por lá nas duas vezes em que visitei o lugar - a primeira com a minha mulher e a segunda com os guris que foram ver o jogo do Grêmio comigo.

Outro lugar que valeu muito a pena visitar - mas que dependendo da data, pode não ser tão legal, já que as exposições são sempre e integralmente itinerantes - é o Centro Cultural Palacio de la Moneda.
O lugar é bem moderno e foi inaugurado não faz tantos anos no subterrâneo da praça que fica entre o Palacio de la Moneda e a Alameda del Libertador. A entrada é franca e mesmo assim não há tanta gente lá dentro.

Da primeira vez em que estive lá, havia uma exposição muito legal com quadros do Diego Rivera e da Frida Kahlo, aqueles dois artistas mexicanos que foram retratados no filme "Frida". Poucas vezes vi uma exposição tão interessante. Da segunda vez em que fui no lugar, havia uma exposição inspirada em mulheres e sua emancipação, com artistas variados, mas sem tanto apelo quanto a primeira.

Um pouco mais longe do centro, mas bem pertinho do albergue em que fiquei por duas vezes, o Andes Hostel, estão o Museo de Arte Contemporaneo e o Museo de Bellas Artes, que ocupam a mesma quadra em dois prédios colados um no outro, com entradas nos lados opostos. Bem em frente à entrada do Bellas Artes, fica o Parque Forestal, que é um lugar frequentado por gente que faz cooper ou que leva o cachorro para passear, bem agradável.
O prédio do Museu foi afetado pelo terremoto que atingiu o Chile no início de 2010, por isso não sei se já está aberto para visitação.

Bom, lá dentro, encontra-se a evolução da arte no mundo e no Chile, com obras de vários artistas - não só quadros, mas também esculturas e instalações. O lugar é bem interessante e também vale a visita, mesmo que seja pagando o ingresso (ô pão-duro!).

Nenhum comentário: