22/02/2012

Hotel em Chiang Mai

Continuando com os posts sobre a Tailândia, que interrompi há alguns dias, prossigo a partir do momento em que chegamos no aeroporto de Chiang Mai, no norte do país. 

Depois de uma breve corrida de táxi do aeroporto, chegamos ao nosso hotel naquela cidade, onde passaríamos três noites. O escolhido foi o Ping Nakara Boutique Hotel, uma espécie de palacete colonial todo branco, com pouco mais de 20 quartos distribuídos em três andares e uma piscina (com borda infinita, como todas dos hotéis moderninhos tailandeses) no meio. 

O hotel foi, talvez, o mais bonito de toda nossa viagem. Havia até mesmo um casal fazendo fotos para um álbum de casamento na primeira tarde em que estivemos por lá, aproveitando o cenário. Seguem algumas fotinhos que bati por lá (o carro antigo também pertence ao hotel):





Certamente não é o tipo de lugar em que um mochileiro ou um grupo de amigos escolheria para passar uma temporada, mas no meu caso, que estava com a minha esposa, foi a melhor escolha. 

O quarto era bastante grande, com uma bela banheira e uma ampla sacada, além de TV de LCD das grandes, uma cama king size e, claro, ar condicionado. No Brasil, com certeza um lugar desses não teria uma diária inferior a R$ 800,00, mas lá na Tailândia o valor fica a partir de uns R$ 250. 

O pessoal do atendimento era bastante solícito e, após algumas horas hospedados ali, todo mundo já nos reconhecia. 

O café da manhã, servido ao lado da piscina, tinha um buffet com frutas, cereais e frios, mas era complementado com um menu de pratos quentes – tanto tailandeses como ocidentais – que podia ser pedidos como complemento, de graça. 

A piscina era também muito bonita, mas a água não estava das mais quentes, por causa das noites frescas dessa época do ano (o “inverno” de Chiang Mai vai de dezembro a março) e apesar das temperaturas de mais de 30°C na parte da tarde. Mesmo assim, como sempre faço em lugares cuja água fica me chamando para aproveitar, dei umas nadadas por ali pelo menos umas duas vezes. 

O hotel também tem um spa aberto ao público em geral, que nem chegamos a conhecer, até porque os preços em clínicas de massagens no centro da cidade são bem mais em conta, por serviços quase iguais. 

O hotel é próximo à rua onde todas as noites ocorre o Night Bazaar de Chiang Mai, o que torna a localização bastante conveniente, já que sequer é preciso pegar um tuk tuk para ir ou voltar de lá. Há bastante restaurantes próximos, sendo que o melhor que conhecemos foi um indiano chamado Whole Earth, bastante concorrido (é esse da foto), com comida muito boa e um excelente custo-benefício. 

Ao lado do hotel, separando-o do Hotel Chedi, há também um templo cujo nome não consigo lembrar que tem um píer para transporte pelo rio Ping, que passa a poucos metros do hotel.

2 comentários:

Paula disse...

Oi, André, tudo bem?
Antes de mais nada queria que soubesse que estou encantada com seu blog! Show demais!
Bem, cheguei até aqui pelo google. Estou viajando para Europa com minha mãe e avó em outubro/novembro e faremos Suíça (Berna e Zurique) e Praga, na Rep Tcheca.
Resolvi entrar em contato com vc porque suas viagens são relativamente de baixo custo e é isso que estou procurando.
Se não fosse pedir muito, vc teria uns albergues nesses lugares para me indicar?
E poderia me dar dicas de trens entre os dois países?
Agradeceria imensamente se pudessemos conversar.
Aproveito e te desejo uma excelente viagem pela Tailandia! :)
Obrigada!

André Augusto Cella disse...

Olá, obrigado pelos elogios.
Realmente não tenho como te ajudar muito nessa região, porque viajei p a Rep Tcheca e p a Austria em 2006, há quase 6 anos. Em Viena, fiquei no Wombats, que era o mais famosinho na época. Em Praga, fiquei no A&O, por recomendação de amigos, e também foi muito bom.
Ainda quero fazer uma viagem com a minha mulher por essa região, incluindo Salzburg, Cesky Krumlov e o castelo de Neuschwanstein no roteiro. Com relação ao trem, acharás tudo bem facilmente no site da Deutsche bahn, que tem versão em inglês.
Abc