25/06/2011

Como viajar com seus amigos (e não querer matá-los)


Estava lendo a página da Lonely Planet e encontrei esse artigo engraçado sobre relacionamentos em viagens. Segue uma tradução livre, de minha autoria, do texto de Leif Pettersen, jornalista na LP, disponível em http://www.lonelyplanet.com/north-america/travel-tips-and-articles/76701:

"Até mesmo o seu amigo mais próximo, aquele que você conhece há mais de 20 anos, que até salvou o seu cachorro fazendo respiração boca-a-boca e que doou um rim para sua irmã (ou vice-versa), às vezes pode levá-lo à loucura durante uma viagem.

As divergências cotidianas e as circunstâncias de uma viagem podem expor e ampliar irritações e disparidades que você nunca soube que existiam. Isso se vocês forem compatíveis. Porque se não forem, mais cedo ou mais tarde aquele saca-rolhas que vocês levaram poderá ser usado para finalidades não imaginadas.

Incontáveis duelos mortais podem ser evitados com algum diálogo sincero antes da viagem. Alguns dos critérios mais pertinentes para levados em conta na hora de escolher a companhia de viagem incluem:

1. Seleção natural
Espontaneidade durante a viagem é ótimo, mas não tanto ao selecionar um companheiro de viagem. Escolha um amigo de cuja companhia você já desfrutou em situações das mais variadas. Frequentemente, viajar com alguém que você ainda não conhece direito acaba resultando em viagem recheada de desarmonia. Isso inclui aquele seu parceiro de bebedeira, aquela gata que você namorou só por duas semanas, e até mesmo aquele escritor de viagens espirituoso, que você conheceu no café da manhã do albergue.

2. Definição de expectativas
Discuta com ele a sua visão geral da viagem. Férias? Viagem a trabalho? Exploração urbana? Praias? Se uma pessoa é um tipo “anda, anda, anda, vê, vê, vê” e o outro é um daqueles que curte aproveitar lentamente um café numa cadeira na calçada, o atrito irá rapidamente surgir. E você já viu pessoas obsessivas compulsivas viajarem juntas? Nem queira. Considere cuidadosamente o que você gostaria de realizar em sua viagem e comunique tudo isso ao seu potencial co-piloto.

3. Orçamentos
A gota d'água para muitas amizades ocorre enquanto os dois estão numa rua movimentada, na chuva, a três quilômetros do albergue, e uma das pessoas preferir caminhar, para poupar a passagem de ônibus de € 1,50, e o outro só quer ficar seco. O mesmo ocorre com a comida, quando um só quer comprar o básico para sobreviver sem gastar muito e o outro quer se atolar em jantares caríssimos. Antes de começar a planejar, estabeleça com seu amigo quais são os padrões de conforto que pretendem adotar e quanta grana cada um tem para coisas como alojamento, alimentação e transporte.

4. Dividir para conquistar
É perfeitamente possível se separar eventualmente quando vocês preferem fazer coisas diferentes. O ressentimento cresce rapidamente quando uma pessoa percebe que está apenas cumprindo um itinerário feito pela outra pessoa. Assim, dividir-se às vezes, seja é por três horas ou por três dias, vai acalmar as frustrações de planejamento. Isso não é um sinal de problema ou falha para qualquer um dos amigos, é apenas uma boa política de convivência. Além disso, vocês vão ter mais histórias para compartilhar quando se reunirem novamente.

5. Noite e dia
Uma discussão sobre a rotina diária é essencial. Uma pessoa que gosta de dormir tarde e acordar tarde vai desgastar uma pessoa que gosta de dormir cedo e acordar cedo muito depressa.

6. Seja atencioso
Depois de ter encontrado o companheiro certo, um pouco de gentileza e etiqueta de viagem é essencial. Esteja sempre consciente do humor e do cansaço do seu companheiro. Leve em conta as necessidades do outro. Seja sincero. Não “destrua” o banheiro. E pelo amor de Buda, não seque a garrafa de vinho sozinho!

Um comentário:

Marcela Trabulsi disse...

Oi...André
Valeu pela dica e pela força
Obrigada
Jamile