09/07/2012

Chegada em Marrakesh


Depois de um atraso de 2 horas e um voo de apenas 1h10, chegamos ao aeroporto internacional de Marrakesh por volta das 14h, no horário local. A primeira impressão da cidade, ainda lá de cima, foi a de um lugar bem menos desértico do que eu imaginava: campos de oliveiras, conjuntos habitacionais com piscinas e campos verdes ao redor da cidade, bastante espalhada, foram as primeiras imagens que vimos – nada muito diferente da Espanha.

No desembarque do avião, promoveu-se a típica correria em direção aos guichês de imigração, mas a maioria das pessoas (inclusive nós) não sabia que era necessário preencher um cartão de desembarque bastante extenso, à caneta, e, é claro, sem canetas disponíveis. Depois de muito procurar, encontramos uma em meio a uma das mochilas dos três integrantes do grupo e, um a um, preenchemos os cartões.

As filas em cada guichê passavam de 30 pessoas e a demora foi bastante grande; cerca de 40 minutos. O oficial da imigração que escolhi, aparentemente, implicava bastante com os próprios cidadãos marroquinos de volta ao país, exigindo sempre mais algum documento além daqueles que lhes eram apresentados. Na minha vez, bem mal humorado, ele só me fez um gesto dizendo que queria o cartão de embarque da Ryan Air que eu recebi lá na Espanha, antes do voo, para conferir dados que preenchi.

Passei antes que o Harold e o Achilles e quando cheguei na esteira de bagagens, que já estava desligada, minha mochila já estava lá. Recolhi e voltei para esperar os demais, que ainda tardaram uns 10 minutos. Quando finalmente passamos para o lado de fora da área de desembarque, tratamos de encontrar caixas automáticos para sacar a moeda local, o dirham.

O dirham é cotado a mais ou menos 0,10 US$, ou seja, 10 dirhans por dólar. A moeda tem circulação restrita e é considerado crime levar notas dela para fora do país sem autorização, por isso mesmo não vale a pena sacar muito dinheiro de uma vez só. Muitos hotéis e agências de turismo aceitam euros para pagar as contas e as gorjetas também são muito apreciadas se dadas na moeda europeia.


Com o dinheiro na mão, tratamos de encontrar o transfer do hotel, que tinha sido contratado depois de uma ligação do gerente para o meu celular, naquela mesma manhã. Não gosto muito desse tipo de serviço, porque geralmente é muito mais caro do que um ônibus e às vezes até mais do que um táxi, mas considerando que a cidade velha é um verdadeiro labirinto, achei melhor não dar sorte para o azar e depois sair reclamando de que ficamos horas com as mochilas nas costas procurando o hotel no meio daqueles becos.

Em uns 25 minutos, cruzamos a avenida que leva do aeroporto à Medina de Marrakesh e, depois de adentrar as muralhas (são 19km delas!), entramos numa pracinha bem muvucada de onde deveríamos seguir a pé, sob a orientação do motorista.

Naquele momento, o choque inicial coma verdadeira Marrakesh veio com toda a sua força: ruelas apertadas, algumas até cobertas por uns tapumes para proteger do sol forte e da chuva, scooters indo e vindo no meio das pessoas, burros de carga levando mercadorias, mulheres usando roupas que só deixam os olhos de fora e homens usando mantos com capuzes tradicionais, tudo em meio a um comércio formal e informal que vai desde carne a eletrônicos, com uma mercadoria ao lado da outra.



Foram apenas uns 80m entre o ponto em que desembarcamos da van até a entrada do Riad (um tipo de hotel tradicional que é o mais utilizado em Marrakesh, onde reservamos nossas quatro noites), mas já o suficiente para uma prévia do que teríamos pela frente.

Chegando no Riad, uma recepção bem amistosa, com direito a chá de menta, doces típicos e explicações sobre a cidade nos esperava, logo depois de deixarmos nossas coisas no quarto triplo, que já estava arrumado para nós.
Enquanto estávamos preenchendo os formulários de check in e de registro no terraço do hotel, o som que se repete 5 vezes por dia em qualquer cidade muçulmana começou a ecoar de diferentes cantos da cidade: o chamado dos muezins para as orações. Intenso.

 Piscina no centro do Riad Lena
 Terraço do Riad
 Chá de menta e doces de amêndoas
Quarto triplo no Riad - estreito mas confortável

A impressão é de que caímos de paraquedas em outro planeta e uma certa sensação de espanto e inquietação tomou conta de todo mundo. Nem mesmo na Tailândia tive esse choque inicial tão grande, e isso só iria aumentar logo em seguida, quando nos pusemos a fazer nossa primeira caminhada pela cidade.

Um comentário:

Fernanda Munareto disse...

Rapaz, quanta viagem!! =) Adorei teu blog, vou voltar com mais calma porque estou pesquisando minha viagem para Itália. E porque quero babar um pouco em todas as outras também...

Um abraço.