06/10/2008

De Paris a Estocolmo

Depois do passeio pelas catacumbas de Paris, o Diego e eu nos encontramos com os demais, que já estavam com as coisas prontas, fazendo um almoço num restaurantezinho entre o albergue e a Gare de Lyon. Chegamos um pouco atrasados em relação ao combinado, por isso corremos ajeitar nossas coisas para reencontrá-los no restaurante e seguir para o aeroporto.

Nesse último dia, nosso Paris Visite (ticket turístico de metrô) já não estava mais valendo, por isso precisamos comprar as passagens de RER até o aeroporto. É bem salgado (uns 8 euros), mas vende em qualquer máquina de estação.

Existem alguns RER que vão quase direto, sem todas aquelas paradas no subúrbio, e demos sorte de pegar um desses na Gare du Nord. Chegamos no CDG cerca de 50 minutos depois de sair do centro, contando a conexão.

No aeroporto, apesar do tamanho, não tivemos maiores dificuldades. Havia pouca fila no check in da Air France, mas mesmo assim houve overbooking na classe econômica. O Diego acabou sendo premiado com um assento na Executiva em razão disso - põe sorte!!!

O vôo saiu bem no horário e foi uma dos melhores que já fiz na vida. A Air France aparentemente ainda tem aquele glamour das companhias antigas (pelo menos essa foi a minha experiência). O lanche tinha queijinhos típicos muito bons, saladas, etc. Serviam vinho e tudo muito atencioso.

O dia estava claro no início, por isso pude ver muito da costa da Bélgica e da Holanda pela janelinha. Em cerca de 2 horas, já estávamos começando a descida em Estocolmo, no aeroporto de Arlanda.

O fato de estar chegando em Estocolmo para mim era um momento de grande expectativa. Nunca tinha estado num lugar tão ao norte do mundo e conheço muito pouca gente que já foi para lá. As histórias sobre o nível de civilidade e desnvolvimento (assim como de riqueza) do lugar também aumentavam o interesse.

Quando começamos a baixar, a primeira coisa que vi foi um lugar cheio de florestas e, de vez em quando, algumas casinhas típicas de madeira vermelhas com detalhes em branco.

Chegamos na hora marcada e, logo na saída do avião, uma recepção digna de uma foto: um cartaz do ABBA dizendo "bem-vindo à nossa cidade natal"...

Nenhum comentário: