18/03/2008

Dicas para fazer um roteiro

Fazer um roteiro legal requer muita dedicação. É um esforço prévio que você faz para poder aproveitar ao máximo a sua viagem enquanto ela acontece, sem ter que se estressar com questões de última hora, em lugares onde você não vai ter acesso fácil a um computador e a um telefone.

No meu primeiro mochilão pela Europa, confesso que não fui tão organizado. Sabíamos por onde queríamos passar e quando tínhamos que voltar; o resto foi-se definindo mais conforme os vôos internos e as reservas do que em função de qualquer outra coisa. Já no segundo, depois de aprender muita coisa com o primeiro, adotei junto com meus amigos uma técnica, que pretendo passar aqui como dicas para organizar um roteiro.

1º PASSO – DEFINA OS DIAS DE IDA E DE VOLTA

Não tem escapatória. Você precisa definir uma data de ida e uma data de volta, até porque passagem de retorno é item obrigatório na imigração. O fator preponderante nessa definição costuma ser o seu trabalho, ou seja, a data de suas férias. Além disso, nessa definição você tem que avaliar se quer se submeter à alta temporada ou não (na Europa os meses mais lotados são julho e agosto), o que implica também em custos maiores, tanto em passagens como hospedagem. A época que você vai implica também a escolha do clima que quer ver lá. O verão pode ser realmente muito quente no sul da Europa e o inverno não é tão frio nessa região. Na Escandinávia, viajar no inverno pode ser um saco (pouquíssimas horas de sol). A primavera costuma ser mais chuvosa que o outono, embora sejam as melhores temperaturas para se viajar (inclusive porque é baixa temporada!).

2º PASSO – DEFINA UM TEMA PARA SUA VIAGEM

Escolher o estilo da sua viagem é mais importante do que simplesmente seguir uma ordem de cidades por proximidade geográfica. Dentro da Europa, deslocamentos de avião em companhias low fare são muito mais baratos do que no Brasil e, nesse sentido, tanto faz ir de avião de Lisboa a Madrid ou de Madrid a Berlin – o preço pode ser o mesmo ou até menor nas distâncias maiores.

Por “definir estilo”, falo de dar uma ênfase no seu roteiro. Pode ser passar por uma cidade com língua diferente da outra, pode ser passar só por lugares de língua alemã; pode ser passar só por lugares de festa; pode ser um roteiro por lugares religiosos; pode ser uma viagem por lugares que eram comunistas; lugares que são bons para fazer festa, etc. Variedade ou semelhança entre as cidades a visitar, isso é uma questão a definir. Esgotar tudo que você acha interessante num país só ou passar o maior número de países possível (embora isso não seja muito recomendável para aproveitar uma viagem).

3º PASSO – DEFINA AS CIDADES A VISITAR

Definindo “mais ou menos” o que você quer, comece a escolher as cidades por onde quer passar. Não se preocupe tanto em fazer um pinga-pinga, do tipo: “Tenho que dar uma parada em Bolonha no caminho entre Firenze e Veneza, embora nem saiba o que tem para ver lá”. Escolha objetivos com base no seu interesse , deixando de lado o que houver no caminho entre seus pontos de interesse.

Não se preocupe ainda com a ordem na qual vai visitá-las ou a proximidade entre uma e outra. Isso vem depois.

4º PASSO – DEFINA QUANTAS NOITES EM CADA UMA

Já tendo o nome das cidades que quer conhecer, conte o número de dias que existem entre sua ida e sua volta e guarde esse número. Tente distribuir um número “x” de dias para cada cidade que planeja visitar. Primeiro veja se não está querendo ver coisa demais em pouco tempo.

Para definir quantos dias passar em cada lugares, você tem que avaliar (1º) o seu interesse por aquele lugar, (2º) o tamanho da cidade, (3º) o número de atrações turísticas que ela oferece, (4º) o número de passeios “bate-e-volta” que você pode fazer a partir dela, sem trocar de albergue.

Há cidades que não tem como se dizer que se conheceu em menos de tantos dias. Isso varia da opinião de cada um, mas na minha, não tem como ficar menos de 4 dias em Paris, menos de 3 em Roma, menos de 4 em Barcelona. Em compensação, lugares como Bratislava, Ljubljana, Bruxelas podem ser vistas no seu principal em um único dia, na minha opinião.

Uma coisa muito importante: considere um dia morto o dia de deslocamento entre uma e outra. Não que você vai perder o dia inteiro, mas isso dá margem para compensar atrasos, descontar o tempo perdido com entrada e saída de albergue, atrasos no transporte (sim, até trens alemães podem dar problema!), tempo que você perde se informando quando chega numa cidade nova, etc.

Eu costumo contar, na verdade, o número de noites que vou dormir em cada cidade, porque aí não tem erro. Dormir em trem, como já disse em post anterior, não é legal, salvo numa viagem de mais de 6 horas, o que é raro na Europa (até porque daí já vale a pena ir de avião, financeiramente).

5º PASSO – ESTABELEÇA UMA SEQÜÊNCIA CIRCULAR ENTRE AS CIDADES ESCOLHIDAS

Depois de definir cidades e número de noites em cada uma, estabeleça uma seqüência entre elas, por proximidade geográfica ou facilidade de transporte. Essa seqüência, como falarei a seguir, pode ser cumprida de trás para frente, de frente para trás, e iniciada e terminada em qualquer ponto, como num círculo.

Por exemplo:

Lisboa – Madrid – Barcelona – Nice – Milão – Veneza – Roma – Lisboa
Barcelona – Madrid – Lisboa – Roma – Veneza – Milão – Nice – Barcelona
Milão – Veneza – Roma – Lisboa – Madrid – Barcelona – Nice – Milão

6º PASSO – DEFINA POR ONDE VAI COMEÇAR E TERMINAR A SEQÜÊNCIA

A definição do início e do final do seu roteiro vai ser, na verdade, a definição do vôo que você vai fazer a partir do Brasil. Nessa escolha, entram em jogo preços de passagens, qualidade da companhia, programas de milhagens, presença de algum conhecido que vai acompanhar você na cidade de chegada.

Os vôos diretos entre Brasil e Europa têm como saída, na maioria das vezes, São Paulo e Rio de Janeiro. Alguns até saem de Salvador, Fortaleza, ou mesmo de Buenos Aires, com boas opções de preço. Do lado europeu, sua chegada provavelmente deverá ser em Lisboa, Madrid, Paris, Londres, Milão, Frankfurt, Munique, Amsterdam.

Sabendo a sua seqüência de cidades a visitar, comece e termine por aquela que oferece a passagem aérea mais conveniente para ir e voltar ao Brasil.

No roteiro dado como exemplo acima, se você descobrir que a Alitalia está com uma super-promoção, por exemplo, pode começar e terminar por Milão. Se a melhor opção fora a Ibéria, comece e termine por Madrid.

Não significa necessariamente que você vai ter que ficar 2 vezes na mesma cidade. Você pode chegar nela e, antes de conhecer, já fazer uma conexão para a seguinte. Ou então chegar, ficar, seguir por terra, e, na volta, pegar um vôo que só faz conexão naquela primeira cidade em que você esteve para voltar ao Brasil.

7º PASSO – DEFINA A ORDEM DA SEQÜÊNCIA CIRCULAR

Para definir a ordem da sua seqüência (de frente para trás ou de trás para frente), faça um esqueminha com o número de dias em cada cidade nos dois sentidos e compare num calendário como fica melhor.

Assim, você poderá optar por passar os finais de semana em lugares melhores para se fazer mais festa, os dias de início de semana (geralmente mais tranqüilos) para ir a lugares com museus e igrejas, os finais de semana para assistir jogos de futebol ou touradas numa cidade, e assim por diante.

Depois de definido o ponto de início e fim, uma mesma seqüência de cidades vai gerar no mínimo 4 roteiros (frente para trás, trás para frente, e variantes conforme se você vai ficar na cidade de chegada logo no início ou no final da viagem). Exemplo: imagine que, no roteiro acima, decidi ir de Alitalia, começando e terminando por Milão.

1º roteiro – Milão (2 noites) – Veneza (1 noite) – Roma (3 noites) – Lisboa (2 noites) – Madrid (3 noites) – Barcelona (4 noites) – Nice (2 noites) – Milão (vôo de volta).
2º roteiro Milão (só chego e saio direto) – Veneza (1 noite) – Roma (3 noites) – Lisboa (2 noites) – Madrid (3 noites) – Barcelona (4 noites) – Nice (2 noites) – Milão (2 noites e vôo de volta).
3º roteiro – Milão (2) – Nice (2) – Barcelona (4) – Madrid (3) – Lisboa (2) – Roma (3) – Veneza (1) – Milão (só vôo de volta)
4º roteiro – Milão (chego e saio direto) – Nice (2) – Barcelona (4) – Madrid (3) – Lisboa (2) – Roma (3) – Veneza (1) – Milão (2 noites e vôo de volta)

Você só vai saber qual o melhor comparando cada um deles no calendário e vendo em que dias da semana estará em cada cidade da sua seqüência.

OBSERVAÇÃO: o roteiro prévio é importante para permitir que você faça reservas de albergues, compre antecipadamente (e mais barato) passagens aéreas internas, possa saber se vai conseguir assistir a eventos que só ocorrem determinados dias (por exemplo, para ver o Papa, só na 4ª ou no domingo), etc.

21 comentários:

Natália Brasil disse...

Oi!

Tenho uma dúvida: quanto tempo antes de viajar você começou a fazer o roteiro? E em quanto tempo vc acha que dá pra planejar um? : )
Abs, Natália Brasil.

André Cella disse...

Olá!

Depende muito do destino e da temporada. Aqui na América do Sul, só precisa reserva em lugares e períodos muito disputados, por isso, sabendo o que quer ver e o que quer fazer, basta o tempo de arrumar as coisas.

Já para a Europa, seja por questões de burocracia migratória, seja para aproveitar melhor o tempo e até mesmo para conseguir lugar nos albergues bons, o ideal é comprar passagens aéreas entre 2 e 4 meses antes e fazer as reservas de albergues pelo menos umas 4 semanas antes.

O tempo relacionado ao estudo e à pesquisa do que ver, por onde passar e o que fazer vai muito de cada um...

Natália Brasil disse...

Eu pretendo ir em maio de 2009 pra Europa, acho que ainda tenho um tempo então pra programar um roteiro.

Mas é que lendo o seu blog, vejo que são tantos detalhes a se preocupar que começo a entrar em pãnico de não ter começado a ver nada disso ainda!

Espero não estar incomodando com minhas dúvidas! : )

Bjs e obrigada!

André Cella disse...

Viagem tem que ser uma coisa que dê prazer, não precisa se preocupar. Muito do que aprendi só aprendi depois de ter viajado, não tem como saber tudo e acertar tudo.
O elemento da surpresa tem que existir para a experiência ser positiva.
Aos poucos vc vai ver que não é tanta coisa assim; escrito pode assustar um pouco.
Boa sorte!

anapaulabianchi disse...

André, primeiro adorei o seu blog, muitas dicas interessantes está me ajudando bastante.
Estou em fase de planejameto de um mochilão pela europa para setembro/2009 (30 dias), quero conhecer o maior numero de paises possíveis.
Gostaria de saber de vc quais paises e lugares que eu não poderia deixar de conhecer, lugares não tão turisticos, diferentes que realmente valham a pena de serem visitados.

Fico feliz se puder me ajudar, abrigada!
Ana

André Cella disse...

Ana, no post em que citei um artigo de um jornalista profissional falando sobre a primeira viagem à Europa (com o qual concordo bastante) uma das dicas é justamente não querer abraçar o continente todo numa viagem só... Mas se essa é a sua vontade, o melhor é se concentrar nos países mais ao centro da Europa, evitando as grandes distâncias de Portugal, centro-sul da Espanha, sul da Itália e o norte dos países escandinavos.
Tudo é muito subjetivo, mas na minha opinião, um roteiro legal por toda a Europa não pode deixar de ter as seguintes cidades:
- Barcelona
- Paris
- Londres
- Amsterdam
- Berlim
- Praga
- Veneza
- Estocolmo
Se o número de países tem essa importância grande para vc, algumas dicas:
- entre Paris e Amsterdam, pode-se dar uma passadinha na Bélgica e Luxemburgo;
- descendo de Berlim, passando por Praga, já dá para passar pela Austria, Eslovaquia, Hungria, Eslovênia e só aí chegar na Itália (a volta para o norte pode ser pela Suíça);
- quando for a Barcelona, dê tbém uma passadinha em Andorra.
Acho que era isso. Abraços.

Débora disse...

Falai, André.. também gostei muito das dicas, mas ainda estou um pouco perdida..
Tenho 23 anos e pretendo fazer um mochilão cultural e "espiritual" pela europa sozinha, pra meu autoconhecimento e outras cositas.. rsrs.. quanto a isso tudo bem, minha duvida é a seguinte:
Quero muito fazer essa viajem no inverno, (janeiro 2010) pra pegar "neve caindo do ceu" como diria uma amiga minha, quero saber se é viavel e se atrapalharia muito o mochilao. Pretendo conhecer inglaterra, holanda, alemanha e frança, vc acha que em pelo menos um ou dois desse paises vai a rolar a neve de verdade, eles estao de acordo com o que eu quero? que cidades fora do circuito, fora as famosas desses paises vc recomendaria?

A empolgaçao é grande e as duvidas também.. se puder me dar um help em alguma coisa eu agradeço.
Valeu mesmo!
Beijos,
Débora**

André Cella disse...

Débora, pessoalmente não posso falar muito sobre o inverno europeu, porque as três vezes que fui para lá fazia calor. Na primeira fui em set/out, na segunda em mai/jun e na terceira em setembro, ou seja, sempre primavera ou outono.
Pelo que sei, dos países que vc mencionou, apenas a Alemanha tem bastante neve. Nos outros, depende mais das condições climáticas (uma frente fria, um tempo mais úmido, etc.). 2009, excepcionalmente, está sendo um ano bastante frio, com nevascas até na Espanha, mas nada garante que será assim em 2010.
Se atrapalha ou não, só vc é que vai sentir...
PONTOS POSITIVOS DO INVERNO:
- menos movimento nos pontos turísticos;
- desnecessidade de reservas (exceto no Natal e Ano-Novo e nas estações de esqui);
- preços mais em conta que no verão;
- experiência diferente do nosso calor habitual.
PONTOS NEGATIVOS:
- menos horas de luz;
- tempo mais feio, normalmente fechado;
- o frio em si;
- atrações com horários mais restritos;
- meios de transporte com menos frequências.
Se tivesse que indicar alguns lugares fora dos grandes centros, te indicaria Bath e a Região da Cornuália na Inglaterra; Delft e Utrecht na Holanda; o Mont St Michel e o Vale do Loire na França; e as regiões de floresta na Alemanha (norte da Baviera, etc).
Boa sorte!

Marjori disse...

Olá!
Adorei seu site, muito bem escrito!
Tô com uma dúvida: necessariamente preciso voltar do lugar em que cheguei? Você acha que isso garante uma imigração mais tranquila? Porque queria chegar por Viena e voltar por Paris.

É isso,

Obrigada!

André Cella disse...

Marjori,
Geralmente, as tarifas com ida e vinda pela mesma cidade geram os preços mais baratos. Uma passagem com chegada por uma cidade e volta por outra (chamada "open jaw") é calculada com base no preço médio entre a ida-e-volta da cidade de chegada e a ida-e-volta da cidade do retorno. Às vezes vale a pena comprar assim, mas dificilmente vc conseguirá fazer isso sem a ajuda de um agente de viagens (os sites das aéreas muitas vezes só permitem comprar ida e volta para o mesmo destino, com exceções como a KLM, Air France, TAP e Lufthansa).
De qualquer forma, se vc quiser chegar por Viena, sua imigração provavelmente terá sido feito em alguma outra cidade. Não existem voos diretos do Brasil para a Áustria. A primeira cidade da Europa em que vc chegar (Lisboa, Madrid, Frankfurt, Munique, Paris, Milão) será o lugar onde vc vai fazer a imigração na chagada...

Ródinei Dias disse...

André, parabéns pelas informações e pelas viagens.
Em relação a aluguel de veículos em Milão, França ou outros lugares, é fácil alugar? E compensa alugar?
Aproximadamente quanto você gasta por dia nas viagens?

Anônimo disse...

Olá André,estou pretendendo fazer um mochilão também, mas não vai ser agora, provavelmente daqui a um ano. Quero conhecer alguns países da europa mas meu maior interesse são alguns países da África , oriente, índia...o que vc aconselha? Vc acha que rola de ir pra europa e dps ainda conhecer esses outros países mais distantes? ou seriam mochiloes diferentes?
Obrigada desde já! e Parabens pelo blog...

Érika
esg_namaste@hotmail.com

Renan disse...

Primeiramente, parabéns ae pelas dicas. Bem úteis.
Eu pretendo fazer um mochilão agora no segundo semestre, mas não sei que tipo de mala/mochila levar...msm porque eu pretendo trazer umas coisas, mas não sei até que ponto é possível fazer viagens de trem, pegar ônibus e tal com muito peso.

Valeu.

André Augusto Cella disse...

Em trens, bagagens grandes ficam nas pontas dos vagões, em estantes, sem qualquer identificação, mas geralmente é muito tranquilo (dizem que à noite pode dar problema de furto).
O grande problema de bagagens grandes é no transporte público (metrô e ônibus). Leve um mochilão de 80l. Se comprar muita coisa, compre lá mesmo tbém uma sacola para trazer na mão. Abc

tatiana muniz disse...

Acho que você resumiu bem o que se deva levar em conta na hora de se planejar.É isso mesmo!Só acrescentaria que nem vale a pena fazer deslocamentos de avião, muitas cias aéreas low cost da europa cobram pela bagagem levada, e pra quem estáde mochilão não passa em Paris por causa da leis trabalhistas, que só permitem que o carregador pegue 30 kg..Além do tempo que se perde em ter que chegar antes para o check in etc..acho a viagem de trem excepcional quanto ao conforto dos trens e da mobilidade que se tem.
Se comprar um passe Global Pass da Eurail, facilita ainda mais 20 países, deslocamentos ilimitados , acho que dá uma liberdade sobrenatural, inclusive em casos de imprevistos... da última vez que estive na Europa meu roteiro passava pelo norte da Itália, Veneza a milão, estava na Suiça quando vi pela tv uma nevasca em Milão e inundações em Veneza.. foi simples substitui as cidades por Munique e Nuremberg na Alemanha, amei as duas cidades!
Abraços
Tatiana Muniz

Lipe disse...

André, vlw pelas dicas. Estou indo pra Europa agora em 20 de Junho, sao tres pessoas, iremos passar 50 dias, desses 7 a 10 dias em Ibiza, vc tem alguma recomendaçao de albergue ou outra estadia pra la(IBIZA). Abraço

André Augusto Cella disse...

Pior que, na época em que fomos, ficamos num hotel bem longinho do centro de Sant Antoni, que não recomendo. O ideal mesmo é dar uma conferida no Hostelworld e tentar ficar em Eivissa Town mesmo. Aluguel de carro é indispensável para conhecer melhor a ilha.

Anônimo disse...

Olá, pretendo ir à Europa com meu namorado em outubro e passar cerca de 15 dias. O ponto de chegada é Lisboa, onde tenho parentes e hospedagem, e de lá, pretendo visitar apenas 3 países, por causa do tempo curto e também do custo. Entre eles estão Espanha, França e Itália. Gostaria de saber quais as cidades e pontos turísticos mais recomendados. Outra dúvida, como faço pra escolher o albergue (confiabilidade, localizção e preços)?

André Augusto Cella disse...

Aconselho que leia minhas dicas nos seguintes posts:
http://demochilao.blogspot.com.br/2008/03/dicas-para-escolher-um-albergue.html
http://demochilao.blogspot.com.br/2008/08/escolhendo-albergues.html
http://demochilao.blogspot.com.br/2008/12/dicas-para-um-primeiro-mochilo.html
http://demochilao.blogspot.com.br/2009/07/seus-amigos-na-hora-de-organizar-um.html
http://demochilao.blogspot.com.br/2011/08/google-amigo-nas-viagens.html
Boa sorte!

Bárbara disse...

Olá! Suas dicas foram muito úteis! Gostaria da sua opinião a respeito da viagem que pretendo fazer no final de novembro e inicio de dezembro de 2012. Estou na dúvida quanto ao destino e ponto de partida das passagens, gostaria de chegar e voltar de lugares diferentes, o que você acha? Sinto que se chegar e sair do mesmo lugares estarei desperdiçando tempo... Ah e estou calculando a média de 2 mil euros para gastar durante esses 15 dias, fora a passagem, vc acha que é o suficiente?

Ju disse...

Oi Andre, estou indo pra Europa em Outubro. Entre os dias 13 (saida do Brasil) e 27 (retorno).
Chego na Europa através de Amsterdam e sigo direto para Londres, depois pretendo ir para Barcelona e voltar para Londres, sendo que no dia 26 embarco de Londres para Amsterdam onde passarei um dia e no dia seguinte (27), volto ao Brasil.

Gostaria de algumas dicas e sugestõres.

Grata, JU