02/07/2008

Vaticano - Udienza Papale


Quarta-feira de manhã acordei bem cedo com o objetivo de conhecer o máximo possível da Cidade do Vaticano.

O café da manhã era bem pobrezinho, como eu já esperava, pelo preço que tinha pago por cada noite no "albergue" de última hora que arranjei. Um pão fatiado de sanduíche, alguns potes de geléia, iogurte e era isso. Fiz uma base e complementei a primeira refeição do dia com algumas coisas que encontrei nas lancherias da estação Termini.

O metrô estava bem cheio, embora ainda fosse relativamente cedo. Levei cerca de meia hora para chegar até a estação mais próxima do Vaticano, de onde se tem que caminhar umas boas 6 quadras até a entrada da cidade (para os museus, o melhor é pegar uma outra estação).

Quando estava chegando lá perto, percebi que as filas eram enormes, mesmo àquela hora. Tratei de me informar e fiquei sabendo que era dia de audiência papal na Praça de São Pedro, como acontece todas as quartas-feiras de manhã. Não haveria visitação à Basílica naquele turno, por conta disso. Eu, como "bom" católico, não tinha me dado por conta disso.

Vi quase todo mundo com uns cartõezinhos na mão e logo perguntei se era necessário ter aquilo ali para entrar. Disseram que sim. Fui até uma policial e perguntei onde poderia conseguir uma entrada, e ela contou que a entrada era livre, aquilo que as pessoas seguravam era só uma lembrança.

Bom, pensei naquela famosa expressão "é como ir a Roma e não ver o Papa" e decidi encarar a fila. Até que não demorou tanto quanto parecia que demoraria. O drama ficou por conta da chuva que começou de mansinho e foi aumentando. Por sorte, alguém na minha frente ou atrás de mim na fila sempre dava um cantinho do guarda-chuva para eu me proteger.

Depois descobri que toda aquela fila, na verdade, era para que as pessoas apenas passassem pelos aparelhos de raio-x que foram instalados entre as colunas que existem ao redor da Praça de São Pedro. Do lado de dentro da praça, havia centenas de cadeiras, sem lugares marcados ou numeração. Foi só escolher uma mais ou menos bem na frente e aguardar.
Fiquei cerca de 2 horas esperando até o início da audiência papal, conversando com umas velhinhas ao meu lado (que me emprestaram um guarda-chuva e ficaram usando só um para as duas) e com um casal de brasileiros atrás de mim.A expectativa vai aumentando a partir do momento em que chega o helicóptero com o Papa. Depois de uma meia hora, ele passa com um carrinho aberto pelo meio da multidão, entre as fileiras de cadeiras, momento em que tirei essa foto.A audiência em si tem uma série de saudações aos peregrinos, que se manifestam euforicamente a cada vez que se menciona o seu país. Tudo é dito e repetido em seis línguas: italiano, inglês, francês, espanhol, alemão e polonês, pelo próprio Papa e pelas demais pessoas que fazem leituras. Algumas saudações, como a bênção final, são dadas em mais de 10 línguas, até mesmo em poruguês e húngaro.

O povo fica eufórico. A maioria gritante é de gente bem mais velha e, naquele dia em especial, havia muitos alemães e americanos assistindo.

Era quase meio-dia quando a audiência terminou. O povo saiu rapidamente da praça, em direção à cidade velha, e assim fiz eu também, tratando de almoçar em algum lugar.

Nenhum comentário: