17/02/2008

Um pouco mais sobre Cusco

Em Cusco, tem-se realmente a sensação de estar num lugar com importância turística mundial. Há mochileiros de todas as partes do mundo, especialmente europeus de países mais ao norte (Alemanha, Inglaterra, países da Escandinávia), americanos, argentinos e brasileiros.

Exatamente em razão disso, nota-se mais profissionalismo nas agências de turismo e nos serviços, quando se faz alguma comparação com a Bolívia. Os preços, também, já não são baratos quanto na primeira parte da viagem, mas nada que assuste.

Há muita coisa para ver e fazer em Cusco. Depois de passar pelo menos um dia vasculhando o centro, sem maiores compromissos, bem como conhecendo mercados de artesanato, lojas de produtos de lã de lhama e museus, o ideal é fazer passeios de um turno inteiro a ruínas próximas à cidade, como Sacsayhuamán (logo acima da cidade, com ruínas que revelam pedras encaixadas de maneira ainda mais perfeita do que em Machu Picchu) e Ollantaytambo.

À noite, também há opções, a maioria pertinho da Plaza de Armas e dos albergues de mochileiros. A mais famosa é, sem dúvida, a Mama África, discoteca mais tradicional dos mochileiros que vão a Machu Picchu.

Nós, no entanto, estávamos com um objetivo definido: fazer o quanto antes a Trilha Inca. Em razão disso, aproveitamos pouco a cidade, tendo apenas passeado no centro, pela manhã e em parte da tarde.

No final da tarde, compramos alguns itens que faltavam para cada um e fechamos a Trilha para o dia seguinte (conto mais no próximo post).

À noite, o efeito do restaurante mexicano sobre o qual eu tinha falado se manifestou: uma dor de fígado, com vômitos, dor de cabeça e cansaço. Não consegui sequer sair naquela noite, tendo ficado sozinho no quarto. Os demais foram para o centrinho e conheceram os barzinhos do lugar.

Lá pelo meio da madrugada, o Leonardo também voltou passando mal. Às 5hs da manhã, fomos nós 2 até uma farmácia que funcionava 24hs, no início da Avenida El Sol (mesma que desce para a rodoviária) comprar remédio, já que em 3hs estaríamos a caminho da Trilha.

Nenhum comentário: