17/04/2008

Barcelona - parte VII


A NOITE

Sexta-feira. Depois de um dia cheio de passeios desde cedo da manhã, voltamos para o albergue para um merecido descanso até a hora de arranjar alguma coisa para fazer à noite.

Não me lembro bem como foi que ficamos sabendo, mas haveria um pub crawl saindo dali mesmo do nosso albergue por volta das 20h30. Como já estávamos meio em cima da hora, tratamos de saber se tinha como alcançar o grupo num dos bares da seqüência, mas a explicação foi tão complicada que decidimos correr e ficar prontos para sair com todo mundo.

Tomamos um banho a jato e em alguns minutos estávamos lá embaixo, saindo com o pessoal para o primeiro pub.

Fomos para um bar no Barri Gòtic, perto daqueles nos quais tínhamos estado na noite anterior. Dessa vez, era um grupo bem maior, que lotava os bares em que chegava. No primeiro, como de costume, era cerveja liberada.

Instalou-se um clima de rivalidade, na brincadeira, entre americanos e o resto do mundo (pra variar) e sempre que podiam os demais cagavam na cabeça dos americanos quando alguém falava alguma besteira.

Passamos por uns três bares ali naquela parte da cidade, não sei exatamente quais, mas era um melhor que o outro. Sempre tinha um drinkzinho de graça em cada um, incluído no pacote do pub crawl.

Entre um e outro, o guia do pub crawl sempre avisava algo que deve ser levado muito a sério por todos: ao sair na rua à noite, evite ficar gritando, senão sempre tem algum morador mal humorado que acaba jogando um balde d'água em quem está fazendo arruaça. Dito e feito: lá pelas tantas, alguém estava gritando e chuáá... um balde na cabeça... hehehe.

Depois de três bares, fomos para o último, que era pertinho do Passeig de Colom, no Port Vell. Eu nem tinha percebido, até que saímos em direção àquela que seria a boate da noite: as boates em cima do Maremagnum.

Foi disparado a melhor noite daquela viagem inteira. Em cima do Maremagnum, cada lado do andar superior do shopping é uma boate, mas se entra e se sai de qualquer uma delas a hora que se quer. Era muito pouco techno, praticamente só musiquinhas mais pop, a maioria daquele estilo eurodance mesmo. Gente de tudo quanto é canto do mundo, literalmente, fazendo festa num só lugar. Imperdível.

Ficamos por lá fazendo festa até umas 4hs da manhã, quando saímos para fora e, mortos de cansaço, caminhamos todo o percurso até o albergue... O pior é que à noite, como a ponte móvel do porto está levantada, tem-se que fazer um desvio enorme pelo cais do porto para voltar, o que não estava nas nossas contas.

Como foi bom, no sábado à noite tentamos repetir a dose no mesmo lugar, mas já não foi a mesma coisa. Estava bem mais vazio, por isso o melhor é se informar antes de ir para lá para pegar o melhor dia, que acredito que seja a sexta mesmo.

Já no domingo, descobrimos o Porto Olímpico. Na parte de cima do cais, um restaurante do lado do outro. Na parte debaixo, um barzinho do lado do outro. A cada dia a cidade revelava algo ainda mais interessante.

Não chegamos a sair em nenhum lugar freqüentado pela "elite" local - dizem que os night clubs perto do Tibidabo são esses points. Por onde andamos, o que mais dava era intercambistas e mochileiros mesmo, mas serviu para mostrar que Barcelona é a melhor cidade da Europa para fazer festa, na minha opinião!

Nenhum comentário: