03/05/2008

Centro de Munique

Já na nossa primeira noite na cidade, nos estranhamos com o terceiro ocupante do nosso quarto, um texano antipático com direito a sotaque caipira e tudo, que queria dormir cedo e não suportava qualquer barulho. Não passou de algumas hostilidades recíprocas e, no mais, foi tudo tranqüilo.

O café da manhã foi o mais completo que eu já num albergue, com direito a vários tipos de cada coisa que era servida, inclusive com chocolate quente, café expresso, omelete, e por aí vai.

O dia amanheceu sem nenhuma nuvem no céu, ao contrário do anterior - quando chegamos na cidade até chuviscava e o tempo só abriu à noite.`

Havíamos combinado com os amigos do Rafael de encontrá-los ao meio-dia em ponto bem no meio de Marienplatz, para fazermos algum passeio juntos, provavelmente a um campo de concentração. Tínhamos, portanto, das 8h30 às 12hs para conhecer alguma coisa sozinhos.

Pegamos um metrô e fomos direto à estação Marienplatz, que fica embaixo da praça com o mesmo nome.

A visão foi essa da fotoa abaixo: a Prefeitura Nova (Neues Rathaus) brilhando ao sol, cheia de flores vermelhas nos detalhes das janelas.


Há sempre uma aglomeração de turistas em frente à torre principal do prédio, esperando bater uma hora cheia em que o Glockenspiel (relógio mecânico com bonequinhos que fazem movimentos, como nos desenhos animados) é acionado.

Na parte interior da Neues Rathaus, não há muito o que ver. Há um pátio interno e algumas galerias, com salas que, em alguns casos, funcionam como repartições públicas mesmo.

Ao redor da praça, existem várias lojas e relojoarias de grife, além de cafés e restaurantes bem caros. A região é o principal ponto turístico da cidade que, como falei, parece ser bem menor do que realmente é.

A algumas quadras dali (umas duas, mais ou menos), chega-se à Frauenplatz (Praça da Senhora), onde fica a Frauenkirche (Igreja da Senhora), ou melhor, a Unserer Lieben Frau Dom (Catedral de Nossa Amada Senhora). As torres dessa catedral podem ser vistas ao fundo, na esquerda, da foto acima.

A catedral, por dentro, é muito mais simples do que as catedrais espanholas ou italianas. Aliás, isso é uma coisa que se percebe muito claramente: quanto mais ao norte, mais simples são as igrejas, em geral, por dentro. Mesmo os templos católicos (que a Frauenkirche também é) são mais simples no norte da Europa (os protestantes em geral são ainda mais simples por dentro).

A entrada na igreja é de graça, mas a grande atração é subir em uma de suas duas torres (paga-se algo tipo 3 euros) , para ter uma bela visão da cidade:


Depois da catedral, viemos voltando meio que em zigue-zague em direção à Marienplatz, mas dessa vez entramos nas galerias e nos shoppings que existem ali por perto. Acabamos descobrindo uma loja de departamentos com bastante coisa da Puma e da Adidas (que são marcas alemãs) por preços bem abaixo daqueles aqui do Brasil - aí não tem como não levar alguma coisa.

O Rafael aproveitou também para procurar um relógio pro pai dele e ali acabamos matando mais de hora, até chegar perto do meio-dia.

Procuramos um lugar para comer e encontramos um restaurante muito legal, bem no meio de uma área aberta, ao fundo de uma galeria. Não me pergunte nome ou exatamente onde fica, porque não lembro. Sei que ficamos surpreendidos pelo preço relativamente baixo dos pratos e por ser tudo muito bom, apesar de termos nos arriscado um prato que envolvia porco e repolho.

Feito isso, voltamos para a praça, para encontrar o pessoal na hora marcada.

Altes Rathaus (Prefeitura velha), também na Marienplatz

Nenhum comentário: