02/05/2008

Oktoberfest - 1ª noite

Já estava escurecendo quando chegamos no albergue e, como não tínhamos mais do que três noites na cidade, decidimos ir logo em seguida para o parque onde acontece a Oktoberfest, para lá mesmo jantar alguma coisa e já ter uma noção de como tudo funciona.

Bom, assim como Ibiza, saber um pouquinho sobre como é a Oktoberfest é essencial para que não se gaste dinheiro e tempo à toa, bem como para que se aproveite ao máximo o evento.

O QUE É: a Oktoberfest é um festival em homenagem à cerveja e à cultura da Baviera (ou Barária), que é o estado mais tradicional e rico da Alemanha. É a maior feira do mundo, em número de pessoas: nos últimos anos o público tem sido de 6 milhões de visitantes. As Oktoberfest que temos no Brasil (Blumenau, Santa Cruz do Sul, etc) são inspiradas nela, mas por aqui a coisa parece mais um Carnaval - um pouco diferente da original. A deusa mitológica Bavária inspira o evento:

QUANDO: a Oktoberfest acontece todo ano, por um período de 16 dias, começando de forma que o último dia do festival seja o primeiro domingo do mês de outubro. Se o primeiro domingo de outubro cair num dia 1º ou 2 de outubro, prorroga-se a festa até o dia 3 de outubro, que é o Dia da Reunificação Alemã. Assim, conforme o ano, a festa pode durar 16, 17 ou 18 dias.

LOCAL: o festival acontece no centro de Munique, num parque de 42 hectares chamado de Theresienwiese. Para chegar lá, o meio mais fácil é ir de U-Bahn e descer na estação Theresienwiese, uma parada depois da Hauptbahnhof (ou uma antes, conforme a origem).

QUANTO: a entrada na Oktober, ou seja, no parque onde ela ocorre, é de graça. A entrada nos pavilhões ou tendas das cervejarias também. Em algumas, é possível fazer reservas de mesas, e aí sim tem que pagar uma taxa.

HORÁRIO: não sei bem que horas começa, mas é perto do meio dia. O fechamento ocorre mais cedo do que se imagina: às 22hs não deixam mais ninguém entrar, às 22h30 começam a pedir para o pessoal ir embora e a música pára, e às 23hs supostamente o parque e as tendas já devem estar vazios.

COMO FUNCIONA: o festival funciona como uma grande feira. Há parques de diversões com roda gigante, montanha russa, banquinhas de tiro ao alvo, etc., há lanchonetes com cachorro quente, biscoitos, peixe assado, comidas típicas (muita coisa de porco). A cerveja, no entanto, só é vendida dentro das tendas de cada cervejaria. Há entre 12 e 15 tendas gigantes, com capacidade, em média, para umas 5 mil pessoas cada. Para comprar a cerveja lá dentro, tem que arranjar algum lugar numa mesa. São mesas coletivas, para umas 30 pessoas, uma ao lado da outra. As garçonetes só servem quem pede cerveja a partir de algum lugar numa mesa. O chopp vem em canecões de vidro de 1 litro, em média por 7 euros cada, que são trocados a cada novo chopp. Não se pode levar os canecos, vazios ou cheios, para fora das tendas (há seguranças na portas que inclusive revistam as mochilas) . Dentro de cada tenda, há quase sempre música ao vivo, com bandinhas que tocam de música típica a pop, de uns rockzinhos a polcas, passando por Village People e por aí vai. Há também alguns lanchinhos típicos, muitas vezes iguais aos que se encontra do lado de fora (pretzels, salsichão, biscoitos, etc).

Naquela primeira noite, chegamos lá por volta das 20hs. Demos umas voltas para conhecer um pouco de tudo e depois escolhemos uma das tendas, a Hofbräu, para ficar tomando umas. No final da noite, quando estava quase fechando, encontramos o Michael, a Flávia e a Ana Lúcia, três amigos do Rafael. Fizemos a "janta" com uns daqueles dogs gigantes com bratwurst, e como o parque estava fechando, em seguida saímos.

Fomos com eles até o albergue em que estavam, pertinho do centro (foi a primeira visão de Marienplatz, o centrão de Munique), e depois pegamos o metrô de volta ao nosso.

Um comentário:

Ricardo Pacheco disse...

O mais legal que eu achei mais legal na Oktoberfest foi a oportunidade de conversar com gente de todo mundo... Cada dia sentamos numa mesa com um grupo de um país diferente e tomamos cerveja juntos, fizemos muitos "Prosts" e demos muita risada. A única decepção que tive foi porque eu estava com uma espectativa diferente quanto à circulação com cerveja na festa: esperava pegar cerveja num balcão, sair andando pelo lugar agitando pra caramba e voltar "abastecendo" minha caneca a qualquer momento... na verdade é um certo "sacrifício" achar um lugar numa mesa pra pedir uma cerveja e é bom ficar sentado por aí mesmo pra garantir a próxima cerveja sem stress... hehehe Mas de qualquer forma, foi muito bom!! Uma experiência fenomenal!!